Se ter um filho no planeta Terra, com toda as condições possíveis, já é tenso, imagine, então, planejar um parto no espaço? Pois, segundo o cientista espacial Egbert Edelbroek, fundador e executivo-chefe da SpaceBorn United, afirmou que isso deve acontecer até 2031. 

A afirmação foi feita durante o primeiro Congresso Espacial e Científico de Asgardia, a Nação Espacial em Darmstadt, na Alemanha. Segundo ele, a empresa já cogita missões nas quais mulheres grávidas podem dar à luz em órbita. A missão seria de apenas 24 a 36 horas para o trabalho de parto. “Isso só é possível, por enquanto, na Órbita Inferior da Terra (LEO), e só é possível graças a um processo de seleção muito completo”, disse ele.

No entanto, para participar dessa “missão especial”, as gestantes precisariam ter dois partos anteriores sem nenhuma complicação e uma alta resistência à radiação natural. “Você pode induzir o trabalho de parto, como acontece nas clínicas de fertilização in vitro diariamente. O planejamento é, obviamente, um problema – é difícil programar um processo natural como esse, se houver algo errado com o clima ou um atraso no lançamento. Nós nunca poderíamos trabalhar com apenas uma mulher grávida. Teríamos talvez 30 participantes e elas poderiam desistir a qualquer momento. Essa seria a única maneira de tornar isso possível”, explicou.

O cientista acrescentou que ainda não começou a planejar essa missão, já que agora, a empresa está focada no desenvolvimento e na concepção de embriões no espaço. Sim, o SpaceBorn Utd pesquisa condições para a reprodução humana no espaço e trabalha na Tecnologia de Reprodução Assistida (TARV). Questionado sobre a estimativa de 12 anos, ele disse ainda que dependeria de financiamento e do desenvolvimento do setor de turismo espacial. “Se continuar acelerado como agora, haverá mercado para pessoas muito ricas. E haverá naves espaciais muito confortáveis ​​para essas pessoas”, finalizou.

E você, teria coragem?