Amanda Menger
Tubarão

A cada R$ 1,00 investido em prevenção, poupa-se R$ 7,00 com ações emergenciais. Esta é a conta feita pela Defesa Civil do estado para justificar a mudança nas prioridades do órgão. E há um outro dado levado em conta pela entidade, impossível de ser mensurado: a vida. Exatamente por isso, a prevenção é intensificada.

“As enchentes do ano passado serviram de alerta, não só para o estado, mas para o Brasil inteiro. As pessoas têm memória curta e precisamos mudar esta percepção. Durante este ano, dos 293 municípios catarinenses, 283 registraram algum tipo de dano causado por fenômenos climáticos, alguns mais de uma vez”, argumenta o diretor estadual da Defesa Civil, major Márcio Alves.

E, para prevenir, é preciso perceber os problemas. Por isso, foram distribuídas quatro milhões de cartilhas aos estudantes. O material traz informações sobre as áreas de risco, e o que fazer em situações emergenciais. Ainda dentro da prevenção, a Defesa Civil do estado atua na organização política e estrutural das coordenadorias municipais.

Outro ponto é o trabalho em conjunto com entidades como o Corpo de Bombeiros, Cidasc e o Ciram/Epagri, este último especialmente na previsão do tempo. “A previsão melhora muito com o avanço tecnológico. A instalação de um radar meteorológico é importante, mas ainda demandará algum tempo e o investimento é alto, R$ 15 milhões. A rede de monitoramento com estações meteorológicas menores foi ampliada e isso nos dá mais segurança na hora de atuar emergencialmente”, afirma Márcio.

Discussão
Integrantes da Comissão Municipal de Defesa Civil (Comdec) de Tubarão participaram ontem da 1ª Conferência de Defesa Civil. No encontro, foram discutidos três eixos temáticos: estrutura e conhecimento na Defesa Civil; assistência humanitária na Defesa Civil; e políticas públicas e organização da sociedade na prevenção no contexto social, dentro do sistema de Defesa Civil.
Ainda ontem, foram escolhidos os delegados que representarão o município na próxima etapa, a estadual, que será realizada em fevereiro, com data e local ainda a serem definidos.

Quantidade de chuva está
dentro do esperado

Andréa Raupp Alves
Tubarão

As chuvas dos dois últimos dias deixaram a população de Tubarão e região preocupada. Conforme o climatologista Rafael Marques, a situação é dentro do esperado, ou seja, nada de alarme. “A precipitação pluviométrica do mês (chuva esperada) é de 115 milímetros de água e atualmente está em 90”, revela Marques.
Quarta-feira, no fim da tarde, uma típica tempestade de verão passou pela região, deixando diversas ruas de Tubarão alagadas. “O que aconteceu nesse dia foi linha de estabilidade. Já hoje (ontem) de madrugada e pela manhã, foi uma frente fria. Na primeira, choveu 27 milímetros e na segunda situação, 34”, explica o climatologista.

Marques garante que não há motivos para preocupação na região. “Não há previsão de chuvas intensas para a região de Braço do Norte, Orleans e Laguna, que são os pontos mais críticos, por onde percorre o rio Tubarão”, informa.
No fim da tarde de ontem, o sol apareceu e a temperatura voltou a subir, chegando a 27° C. Para hoje a previsão é que chegue a 30° C.