Na primeira reunião da nova diretoria, nesta quarta-feira (9), a arqueóloga e historiadora Bruna Cataneo Zampareti apresentou o projeto “Tem um Sambaqui na minha rua!” - Foto: Prefeitura de Capivari de Baixo | Divulgação

As metas e projetos que serão desenvolvidos no biênio 2022/2023 pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente (Condema) de Capivari de Baixo pautaram a primeira reunião da nova diretoria, nesta quarta-feira (9). O encontro foi conduzido pela presidente eleita, a analista ambiental e professora Renata Porto Morais.

Uma das principais ações que a entidade municipal pretende alavancar é o projeto “Tem um Sambaqui na minha rua!”. Na apresentação, feita pela arqueóloga e historiadora Bruna Cataneo Zampareti e integrantes do grupo de moradores que também integra a instituição, o intuito é divulgar a existência dos dois sítios arqueológicos.

Os Sambaquis Capivari I e Capivari II ficam em plena área urbana da cidade, mas a maioria dos moradores sequer sabe que eles existem. Além de tornar os espaços conhecidos, a meta é criar mecanismos de preservação dos dois cemitérios indígenas.

Além deste projeto, o grupo também debateu implementação do Fundo Municipal de Meio Ambiente (FMA). A ideia é utilizar recursos provenientes das taxas de licenciamento ambiental e multas, por exemplo, para a formação do fundo. Desta forma, o Condema poderá ter maior autonomia para desenvolver ações prática e de grande impacto ambiental no município.

O corpo diretivo do Condema de Capivari de Baixo para o biênio 2022\2023 é composto pela presidente Renata Porto Morais, representante da Secretaria de Obras, Viação, Trânsito e Meio Ambiente de Prefeitura; pelo vice-presidente Níkolas Ricardo Platchek Calomeno, do consórcio Saneamento Capivari; e pela secretaria-geral Sinara Amélia Garcia, da Procuradoria-Geral do Município (PGM).

 

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul