Priscila Alano
Tubarão

Mais um reajuste tarifário está aprovado e deve também reajustar os gastos no orçamento doméstico do brasileiro. Desta vez é a conta de energia elétrica que pesará no bolso do consumidor. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou ontem a Celesc a elevar a tarifa em 9,85%. O reajuste passa a valer neste sábado. As medições realizadas até esta sexta-feira ainda serão calculadas no valor antigo.

O gerente regional da Celesc, Gerson Bittencourt, explica que o reajuste é anual e ocorre sempre neste mês. “A cada quatro anos é feito a revisão dos valores, este ano foi apenas o reajuste. Cerca de 75% da tarifa é composta por valores não gerenciáveis (energia comprada e impostos)”, detalha Gerson. Segundo ele, metade do valor arrecadado pela estatal é gasto com impostos.

Para os consumidores de baixa tensão, o aumento médio será de 8,94%. Para quem integra a ‘ala’ da alta tensão (indústrias, por exemplo) terão impacto médio de 10,89%. Na região, cerca de 170 mil consumidores, entre clientes da Celesc e de cooperativas, serão afetados com o reajuste.

A vice-presidenta da Associação das Donas de Casa e Consumidores (Adocon) de Tubarão, Reneuza Borba, alerta os consumidores para reavaliar o orçamento doméstico e economizar. “A energia é essencial, não é um produto que podemos boicotar, então o jeito é usar com sabedoria. Reduzir o tempo do banho e não ligar a TV para a parede assistir são boas dicas”, ensina.