Municípios da região realizam atividades em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Tubarão

Imagine o que passa pela mente de uma criança ou adolescente vítima de abuso e exploração sexual… Além de severos danos físicos, podem contrair doenças sexualmente transmissíveis e até engravidar. Mas os danos maiores sempre são psicológicos. As lembranças podem gerar traumas emocionais, problemas para relacionar-se de forma saudável com outras pessoas, baixa autoestima, podem se tornar retraídos ou agressivos, tendem a ter depressão, se autoflagelar e até cometer suicídio. Em muitos casos, reproduzindo o que viveram, tornam-se também abusadores sexuais, inclusive de crianças e adolescentes.

O assunto geralmente está sempre coberto por um manto de tabu e silêncio, porém, identificar as diversas origens deste problema é fundamental para poder enfrentá-lo.

No Brasil, estima-se que todos os dias centenas de crianças e adolescentes sofrem abuso sexual; os números são muito maiores do que os da violência sexual contra a mulher, inclusive porque apenas uma pequena parte das ocorrências se torna conhecida das autoridades policiais. Infelizmente, na grande maioria dos casos o abusador é alguém muito próximo da vítima.

Com o objetivo de mobilizar a sociedade e convocá-la para o engajamento contra a violação dos direitos sexuais de crianças e adolescentes, foi estabelecido o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, que é lembrado hoje em todo o país.

A data foi instituída pela Lei 9.970, de 17 de maio de 2000. Desde sua criação, entidades ligadas à defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes promovem por todo o Brasil atividades que visam conscientizar a sociedade e as autoridades sobre a gravidade da violência sexual.

Em Tubarão, material educativo será entregue
Como parte integrante da programação do aniversário dos 147 anos de emancipação político-administrativa de Tubarão, e como forma de lembrar e alertar a população sobre o tema, o município realiza ações referentes à data. Ontem, alunos das escolas municipais de educação básica Manoel Rufino Francisco, Faustino da Luz Patrício, São Martinho e Maria Emília Rocha assistiram ao espetáculo “Faça a Diferença – Denuncie”, a partir das 14h30min, no Teatro da Arena Multiuso Prefeito Estêner Soratto da Silva.

Hoje, as ações ocorrem na Praça Walter Zumblick, onde haverá panfletagem de material educativo e de orientação à população, das 13 às 18 horas, e no Centro Municipal de Cultura – Museu Willy Zumblick, onde alunos das escolas municipais João Paulo I (Caic), São Judas, Sertão dos Corrêa e da Combemtu assistem palestra sobre o abuso e a exploração sexual em jovens, proferida por policiais da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, à Mulher e ao Idoso (Dpcami). Participarão ainda de sessões de contação de histórias. Todas as ações são abertas ao público e gratuitas.

Mobilização ocorre em Jaguaruna
O Conselho Tutelar de Jaguaruna promove hoje uma ação de conscientização da importância do combate à violência. A ação iniciará com entrega de panfletos e informações em frente à sede do conselho, a partir das 9h30min. À tarde será proferida uma palestra pelo Nasf, no Centro Pastoral da Igreja Matriz. Já às 16 horas, toda a população está convidada a participar de uma passeata com saída do Centro Pastoral até o ginásio de esportes.

Combate ao abuso também é lembrado em Braço do Norte
As equipes do Centro de Referência da Assistência Social (Cras), Centro de Referência Especializada da Assistência Social (Creas), Bolsa Família, Conselho Tutelar, Asacad, Ciaca e Conselho Municipal dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (CMDCA), realizam um pedágio informativo hoje nas sinaleiras da avenida Felipe Schmidt, no centro de Braço do Norte, das 8h30min às 10h30min. Já na próxima segunda-feira ocorre a 5ª Caminhada de Combate ao Abuso Sexual, com saída da Praça Padre Roer, às 9 horas.

Denuncie
Além da prevenção, o combate a essa realidade exige que os casos sejam denunciados. Portanto, se souber de algum caso de violência sexual infantil, procure o Conselho Tutelar, delegacias especializadas, polícias Militar, Federal ou Rodoviária e ligue para o Disque Denúncia Nacional, de número 100.