Tubarão

Nesta terça-feira (26), dois vídeos estão circulando nos grupos de WhatsApp e em outras redes sociais, em que mostra o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, em um cassino.  Nas imagens, as legendas sugerem que os vídeos do chefe do poder Executivo foram feitos em Israel, onde ele e um grupo da Cidade Azul estão desde a quarta-feira da semana passada, em uma missão empresarial.

De acordo com Ponticelli, a informação é falsa, uma vez que jogos deste tipo são proibidos em Israel. “A imagem na verdade, foi gravada durante um cruzeiro que realizei no período de férias, viagem particular, paga com recursos próprios, que fiz acompanhado da minha família”, enfatiza.

Conforme o prefeito, a viagem foi divulgada pela imprensa local, no dia 1º do mês passado. Em uma publicação dizia que:  o prefeito Joares Ponticelli estava curtindo férias merecidas e especiais com a mãe, dona Nair, em um cruzeiro pelo litoral brasileiro. “A roupa com a qual apareço na foto com minha mãe é a mesma utilizada por mim, no referido vídeo”, observa.

O chefe do poder Executivo afirmou que considerou a divulgação um ataque infame, não somente por ele, mas a todas as pessoas que integram a comitiva da Missão Israel. “Desde que chegamos a Tel Aviv, em Israel, estamos cumprindo uma agenda muito intensa e muito positiva, graças aos contatos estabelecidos e aos conhecimentos que obtivemos nos eventos. Fico chateado pela covardia, pela irresponsabilidade de quem divulgou esse vídeo, pois afetou todos que estão aqui em busca de conteúdos que poderão trazer impactos positivos para a nossa cidade. A missão aqui é extremamente responsável e os resultados serão apresentados em nosso retorno”, garante.

Segundo ele, as providências já foram tomadas, entre elas, foi formalizado um Boletim de Ocorrência e solicitada a apuração da origem do vídeo. “Lembro que tanto quem divulga, quanto quem compartilha pode incorrer no crime de calúnia e difamação, que são previstos pelo Código Penal. Tudo será objeto de apuração e espero que a polícia possa encontrar os responsáveis e que esse ataque covarde possa ser punido com o rigor da lei”, finaliza.