Os produtores catarinenses de leite estão recebendo, em julho, preços superiores aos recebidos em junho. Essa tendência de alta já havia sido sinalizada na última reunião do Conseleite de Santa Catarina, realizada no dia 25 de junho. Na oportunidade, o preço projetado de junho para o leite padrão foi de R$1,8191 por litro, valor 7% superior aos R$1,6994 de maio.

Os preços indicados pelo Conseleite em um mês acabam influenciando os valores que os produtores recebem no mês seguinte, porque são importantes referências nas negociações com as indústrias lácteas. “Já era esperado que os produtores catarinenses recebessem preços melhores em julho do que em junho”, destaca Tabajara Marcondes, analista de socioeconomia da Epagri/Cepa.

Essa alta nos valores pagos aos produtores está diretamente relacionada à recente recuperação dos preços dos produtos lácteos no mercado atacadista, que, depois de atingirem o seu pico em setembro de 2020, decresceram sensivelmente até o mês de fevereiro. “Neste período, o preço de referência do leite padrão teve uma redução superior a 15%, caindo de R$1,7994/l, em setembro de 2020 para R$1,5218/l, em fevereiro de 2021”, explica Tabajara. Ele acrescenta que a recente recuperação nos preços dos produtos lácteos no mercado atacadista, principalmente nos meses de maio e junho, esteve diretamente relacionada com a redução da oferta nacional, decorrente do período da entressafra da produção leiteira brasileira.

 

Conseleite

Santa Catarina é um dos seis Estados do país a contar com Conseleite, órgão que tem como principal objetivo realizar reuniões mensais para calcular e divulgar os valores de referência para a matéria-prima leite, bem como fazer a projeção dos preços do produto para o mês seguinte. “Esses valores são calculados a partir de uma metodologia transparente desenvolvida por professores da Universidade Federal do Paraná”, aponta o analista da Epagri/Cepa.

O Conseleite (Conselho de Produtores Rurais e Indústrias de Leite) é uma associação civil que reúne representantes de produtores de leite e das indústrias que processam esta matéria-prima. “Uma das ideias que deram formato aos Conseleite é exatamente a de que os preços da matéria-prima variam no mesmo sentido dos preços dos derivados praticados pelas indústrias participantes do Conselho”, define Tabajara.

O Conseleite Santa Catarina foi instalado em 2007, o que faz dele o segundo mais antigo do país. O Paraná foi o pioneiro, com a criação do órgão em 2002. Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso e Rondônia completam o rol dos Estados que contam com o Conselho.

 

Custo de produção

O custo de produção do leite faz parte dos cálculos dos valores de referência para o produtor. Por isso, os Conseleite precisam ter custos de produção relativamente atualizados, o que é uma das atribuições das Câmaras Técnicas dos Conselhos. Em abril, o custo ponderado de leite calculado pelo Conseleite Santa Catarina ficou em de R$1,89/l.

“Em Santa Catarina, existem particularidades relacionadas aos custos de produção”, relata Tabajara. Ele explica que a primeira delas é que os custos dos cinco sistemas de produção de leite do Conseleite de Santa Catarina são atualizados quadrimestralmente, conforme os levantamentos dos preços pagos pelos produtores feitos pela Epagri/Cepa.

“A segunda e mais importante particularidade é que, não só esses custos ficam disponíveis para consulta na internet, como há uma planilha Excel disponível para produtores de leite calcularem o seu custo de produção e, consequentemente, avaliarem a rentabilidade na produção e melhorarem a gestão de sua atividade leiteira”, pontua Tabajara. A ferramenta foi desenvolvida pela Câmera Técnica do Conseleite SC e está disponível no site da Epagri/Cepa.

Calcular os próprios custos de produção de leite é uma missão tão difícil quanto importante para o produtor. São diversas variáveis a serem consideradas e controladas, para que o pecuarista saiba quanto investiu para produzir cada litro de leite. Aliada ao valor projetado, essa informação fornece a ele a ferramenta adequada para negociar melhor com o mercado.

Ao navegar na página da Epagri/Cepa, o pecuarista deve rolar a página até encontrar o custo de produção de leite. Então, será preciso clicar na aba com a data mais recente para baixar a planilha Custo de Leite. No arquivo Excel ele deve clicar na aba Dados Rebanho para ver as células que precisa preencher. Preenchendo esses espaços ele vai conhecer o seu custo de produção de leite.

Tabajara entende que a escolha do site da Epagri/Cepa para hospedar a ferramenta do Conseleite tem relação com o levantamento sistemático dos preços pagos pelos produtores realizado pela organização. Pesa também a credibilidade que as informações geradas e difundidas pela Epagri desfrutam nos meios rural e urbano.

 

Produção catarinense

Estimativas apontam que, em 2020, Santa Catarina produziu 3,15 bilhões de litros de leite, 2,88 bilhões deles destinados para as indústrias lácteas. Os números mostram que, no ano passado, o estado catarinense respondeu por 11,3% do leite recebido pelas indústrias lácteas brasileiras. Esse desempenho coloca Santa Catarina como o quarto maior produtor de leite do Brasil. O Oeste concentra 80% de toda a produção leiteira do estado.

No início dos anos 2000 a produção catarinense de leite representava apenas 4% do total do leite industrializado nacionalmente. Tabajara relata que, até esta época, boa parte do leite produzido no Estado não ia para as indústrias inspecionadas, ficava para consumo das famílias agricultoras ou era vendido localmente.

O analista conta que a partir dos anos 2000 houve um sistemático e expressivo crescimento na quantidade de leite comercializada para as indústrias, causado por uma série de fatores: “o crescimento da demanda nos centros urbanos, as crescentes restrições à comercialização informal de leite, a tradição de produção leiteira na maioria das propriedades dos agricultores familiares, a necessidade de milhares dessas famílias buscarem renda em ‘novas’ atividades, a boa estrutura de organizações públicas e privadas de apoio ao meio rural, os investimentos das indústrias e cooperativas lácteas, a boa competitividade da produção leiteira catarinense, entre outros aspectos,” enumera. Desde então, a cadeia leiteira catarinense só cresceu, e hoje está consolidada e com ótimas perspectivas de seguir nessa evolução.

“Santa Catarina também veio crescendo na produção leiteira como consequência do apoio institucional qualificado, tanto por parte de prefeituras, como das indústrias e pela Epagri, que priorizou a atividade nos últimos anos”, descreve o analista. “A atividade leiteira é das principais para o meio rural catarinense. É uma produção importante para os pequenos municípios, com repercussões socioeconômicas que transcendem em muito o meio rural”, finaliza Tabajara.

 

Fonte: Gov. de SC

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul