Um grupo de 120 alunos de 3 escolas públicas relatou um caso de indiscriminação durante uma visita a uma exposição ao Shopping JK Iguatemi, na Vila OIímpia, zona sul de São Paulo, na quarta-feira (20).

De acordo com informações da Record TV, os estudantes, entre 6 e 10 anos, saíram de Guaratinguetá, a 220 km da capital, no início da manhã, para visitar uma exposição. Ao chegar no local, uma funcionária teria dito que o shopping não poderia receber tanta gente e que ali era um espaço para pessoas “consideradas da elite” e que as crianças “não estavam nesse padrão”.

Após o constrangimento, os alunos conseguiram entrar e ver a exposição.

Em entrevista à Record TV, a diretora da escola, Jozeli Gonçalves, afirmou que ela e os estudantes se sentiram segregados. “Embora a funcionária tivesse dado várias explicações, nenhuma delas nos fez entender o empecilho de entrar no shopping”, disse.

Em nota, o shopping afirma que solicitou à direção da ONG, responsável pelo evento, que reforce o treinamento da equipe de recepcionistas da exposição.

O estabelecimento disse ainda que não compactua com a atitude tomada pela colaboradora.

A ONG Orientavida, organizadora da amostra, por sua vez, afirmou que todos são bem-vindos na exposição e que a funcionária foi afastada.

Outro caso

Há um mês, no dia 22 de fevereiro, outro shopping em São Paulo se envolveu em uma polêmica após pedir à Justiça autorização para que os seguranças pudessem apreender e encaminhar para a Polícia Militar ou ao Conselho Tutelar “crianças e adolescentes em situação de rua”.

Além de ter o pedido negado pela Justiça, que afirmou que o shopping pediu “um salvo-conduto para efetivar no estabelecimento uma genuína higiene social”, o estabelecimento foi alvo de protestos.