Durante o Seminário Regional de Defesa Civil foi entregue, aos 18 municípios associados à  Amurel, kits com equipamentos que irão auxiliar nas centrais de monitoramento.
Durante o Seminário Regional de Defesa Civil foi entregue, aos 18 municípios associados à Amurel, kits com equipamentos que irão auxiliar nas centrais de monitoramento.

Maria Julia Goulart
Tubarão

Os 18 municípios integrantes da Associação dos Municípios da Região de Laguna (Amurel) receberam da secretaria estadual de Defesa Civil, kits com equipamentos que irão auxiliar na prevenção de desastres naturais. Esta é a nova ideologia da secretaria, que busca prevenir possíveis acidentes, do que apenas utilizar medidas curativas. “Preparamo-nos para conseguir prevenir que possíveis desastres ocorram. Este trabalho interligado com os municípios é fundamental para que possamos agilizar o processo”, ressalta o secretário estadual de defesa civil, Milton Hobus.

Os equipamentos recebidos – um microcomputador, um estabilizador, uma impressora, um televisor, uma câmera fotográfica, um GPS, duas trenas, cinco capas de chuva e cinco pranchetas – irão auxiliar na estabilização das centrais de monitoramento. “Isto proporciona aos municípios estarem ligados em tempo real com a coordenadoria-geral de monitoramento. O que ajuda a avaliar a situação de cada local”, explica Hobus.
Este é o primeiro passo dado pela secretaria de Defesa Civil. Uma das funções dos aparelhos é poder monitorar as áreas de risco. “É um novo modelo de trabalho desenvolvido. Isto vai reduzir futuros gastos com desastres naturais em decorrência de grandes chuvas, sem dúvidas, é muito importante”, destaca o secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, Estêner Soratto Junior.

O seminário intitulado “A gestão de risco e desastre: preparando-se para o futuro” também trouxe palestras que aprofundaram um pouco mais sobre a temática, entre eles: os procedimentos administrativos e jurídicos, a gestão de risco e desastre. Todos os 295 municípios catarinenses recebem estes kits, que buscam estruturar as defesas civis municipais.

Previsão é de chuva forte para a região hoje

O novo modo de trabalho da secretaria estadual de Defesa Civil busca tranquilizar a população. Há duas semanas choveu o esperado para o mês de agosto. Foram 36 horas e 15 minutos de chuva intensa e contínua, totalizando um acumulado de 105,8 milímetros, somente em Tubarão. E a expectativa é que a chuva forte retorne hoje, devido ao avanço de uma frente fria no sul do país.

De acordo com informações da Epagri/Ciram, entre hoje e domingo, a previsão é de tempo instável com temporal isolado e chuva moderada a forte em alguns momentos, com valores que podem novamente exceder o esperado para o mês em algumas horas. De acordo com o secretário estadual de Defesa Civil, Milton Hobus, são esperados 120 milímetros para o sul do estado. “Estamos trabalhando desde o início da semana para minimizar qualquer dano que venha a ocorrer”, revela Hobus.

Conforme o prefeito de Gravatal, Nardo Nesi (PP), as fortes chuvas causam vários danos. “Em Gravatal, muitas pontes acabam carregadas pelas enxurradas, isto sem contar os alagamentos. Os equipamentos vão auxiliar para que isso não ocorra”, garante. Durante este período de chuva forte, há previsão de que algumas regiões sofram com alagamentos e escorregamentos. O frio também deve retornar ao estado.

Licença ambiental vem aí!

O projeto da calha do Rio Tubarão já está com o executivo pronto, feito pela empresa Prosul, responsável pela obra. Contudo, para que o serviço comece a ser executado, depende de a licença ambiental estar concluída. De acordo com o gerente regional da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Claudemir Souza dos Santos, é preciso que o projeto ambiental fique pronto para garantir os recursos da obra. “É necessário que os dois projetos estejam prontos para podermos buscar os recursos com o governo. A previsão é que, até o fim deste ano, eles sejam entregues”, afirma Claudemir.

Durante o seminário na Amurel ontem, o secretário estadual de defesa civil, Milton Hobus assegurou que o edital de licitação do projeto ambiental sai na próxima semana. Com isso, a previsão é que a obra seja executada com mais agilidade.
Desde maio deste ano, uma comissão de representantes de Tubarão foi criada para acompanhar o cronograma da obra. A ordem de serviço para o projeto de desassoreamento do Rio Tubarão foi assinado em abril deste ano. A Prosul, que venceu a licitação, tem até dezembro para concluir. Esta etapa custará R$ 1.288.468,56, com investimento do governo do estado. Ainda é necessário licitar a redragagem propriamente dita, assim como buscar o dinheiro para tirar a obra do papel, com investimento estimado de R$ 60 milhões a R$ 100 milhões.

A Obra

É estimada a necessidade de retirada de 6,7 milhões de metros cúbicos de areia entre a Ponte Cavalcante (da BR-101, em Tubarão) e a foz, em Laguna, em um percurso de 29,7 quilômetros. O valor exato do serviço dependerá do projeto, cujo investimento é de R$ 1.288.468,56, exclusivamente do governo estadual. Inicialmente, trabalha-se com a necessidade de um investimento de R$ 60 milhões a R$ 100 milhões. Um estudo feito pelo Cidasc e Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), em 2009, apontava que a calha do rio estava 42% assoreada.