Zahyra Mattar
Laguna

O Farol de Santa Marta, em Laguna, assim como as outras praias do município e de outros balneários como Imbituba e Jaguaruna, reserva espaços maravilhosos para os turistas que visitam o sul do estado todos os anos. Cada lugar tem o seu ponto forte, um atrativo diferente e único, que transforma o litoral sul em um verdadeiro paraíso, que não deixa absolutamente nada a desejar para os locais mais badalados do mundo.

Paralelamente, a região perde por um problema mais que antigo e que precisa ser tratado com maior propriedade pelos prefeitos eleitos e reeleitos: o esgoto a céu aberto nas praias. O Farol de Santa Marta é um triste exemplo. De um lado, o esplendor da pequena vila de pescadores que ‘ferve’ na temporada de verão. Do outro, bem no meio da praia, o esgoto contamina a areia e o mar.

Não é a toa que a Praianha do Farol, como é conhecida a extensão de areia na pequena baía, é o único lugar da Amurel que iniciou a temporada de verão, em dezembro do ano passado, com a água imprópria para o banho, conforme atesta o relatório semanal de balneabilidade disponibilizado pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma).

O quinto documento foi divulgado nesta sexta e, na região, o Farol é o único que figura nesta condição. O outro fica em Garopaba, na praia de Garopaba, bem no meio da faixa de areia. Em comparação com o relatório da última semana de 2008, existe, no estado, um ponto a menos impróprio. Antes, eram 62 pontos ruins; agora, são 61.

Na análise, a Fatma indica se a água está ou não contaminada por esgoto doméstico por meio da contagem da bactéria Escherichia colia, presente nas fezes de animais de sangue quente e que é prejudicial à saúde. Ao todo, 182 pontos em toda a extensão do litoral catarinense são analisados semanalmente na temporada de verão. No restante do ano, o teste de balneabilidade nas praias é feito mensalmente.