Zahyra Mattar
Jaguaruna

Quem se programa para passar o fim de semana na praia deverá pensar duas vezes antes de colocar o carro na estrada com a família. Os balneários mais procurados pelos veranistas da Amurel estão com o acesso comprometido, desde o último sábado, quando uma enxurrada destruiu boa parte das estradas de chão batido. O local mais complicado é o Farol de Santa Marta, em Laguna. Os quatro acessos para o local estão em condições precárias. Através de Tubarão, a ponte que divide o município com Jaguaruna (e liga aos vários balneários da cidade e também a Laguna), em Congonhas, está comprometida.

A prefeitura de Tubarão emitiu ontem um aviso de que o local está interditado, mas muitos populares arriscam-se a passar pelo local mesmo assim. A passagem é de madeira e a estrutura pode ter sido danificada. Uma vistoria somente poderá ser feita depois que o nível do rio Congonhas voltar ao normal. O acesso pelo bairro Madre também é dificultoso. Há muitos buracos na estrada. A lama e grandes poças de água podem esconder surpresas.

Através da Barra, em Laguna, a estrada também esconde-se debaixo da água, ainda acumulada em grande nível em muitos trechos. No Camacho, em Jaguaruna, o tráfego é melhor por conta dos mais de dez quilômetros de asfalto na estrada geral. Os pontos ainda em obras também estão melhores do que os verificados no ano passado. Mas há pedras e lama, o que exige cuidados.

Nas outras praias de Jaguaruna, caso dos balneários Paraíso e Pinherinha, é possível passar somente a pé em alguns locais. A estrada cedeu completamente em vários pontos. A prefeitura já trabalha na recuperação. No Campo Bom, o acesso também é complicado. A prefeitura de Sangão ajuda no patrolamento.

Em Laguna, além do Farol, cuja comunidade está praticamente ilhada – apenas carros tracionados conseguem ir até o local, ainda que com dificuldades – a praia do Sol também tem problema. O único acesso, uma estrada de chão batido, tem muita lama e buracos.

Farol: projeto de asfaltamento está engavetado
A indefinição ambiental da Rodovia Interpraias, cujo trajeto é o principal local de alagamento na região do Farol de Santa Marta, em Laguna, dificulta qualquer tipo de melhoria na estrada. O resultado é uma comunidade inteira quase isolada.

Há 18 meses, o projeto – feito pela secretaria regional em Laguna – aguarda a liberação para o asfaltamento na estrada entre o Camacho, em Jaguaruna, e a Barra, em Laguna. “A obra é prioridade na SDR, no governo do estado e no BID 5, aprovado no ano passado. Dependemos apenas do carimbo dos órgãos (ambientais) federais”, lamenta o secretário regional, Mauro Candemil (PMDB).

O maior imbróglio é quanto ao traçado da Interpraias. Candemil argumenta que não mudará. “Esta estrada existe há 100 anos e continuará do jeito que está. Só queremos jogar asfalto em cima”, pontua.