Os motoristas de Criciúma e região começaram a notar a partir da sexta-feira passada, 16, queda no preço da gasolina, se distanciando da média de R$ 4,00 por litro que vinha sendo praticada há dois meses. Entre os dias 8 e 16 de fevereiro o combustível teve redução de 6,9% nas refinarias. Apesar disso, há dono de posto insatisfeito com a forma como a Petrobras anuncia queda de preço e, em seguida, aumenta, dando a entender à população que o valor não diminui mais por culpa dos postos.

Um dono de posto, que preferiu não se identificar, mostrou à reportagem neste domingo, 18, as notas de compra da gasolina datadas do dia 14, a R$ 3,5759 o litro, e do dia 16, quando anunciada a redução de preço, a R$ 3,5260, o que, segundo ele, dá uma margem de redução de apenas R$ 0,04.

Em Forquilhinha há posto comercializando o litro da gasolina comum a R$ 3,39.

A Petrobras explica em sua página na internet que analisa a participação no mercado interno e avalia frequentemente se haverá manutenção, redução ou aumento nos preços praticados nas refinarias. Sendo assim, os ajustes nos preços podem acontecer a qualquer momento, inclusive diariamente.

Pesquisa realizada neste domingo, 18, em Criciúma: