#Pracegover Foto: na imagem o rio e árvores
#Pracegover Foto: na imagem o rio e árvores

A procura por água tratada tem aumentado em Tubarão nas comunidades que utilizam fontes alternativas. O principal motivo é que o fluxo de água em riachos, córregos e poços está visivelmente menor em decorrência das chuvas abaixo da média desde novembro de 2021. Os moradores da área rural têm sentido com mais intensidade a estiagem.

A situação é avaliada mensalmente pela Agência Reguladora de Saneamento. Em toda a bacia hidrográfica do Rio Tubarão, a precipitação pluviométrica ficou abaixo da média em fevereiro. A média histórica para o mês mais curto do ano é de 170 a 230 milímetros. Porém, nas áreas mais próximas ao litoral, o índice ficou muito abaixo, de 25 a 70 milímetros.

Apesar da escassez, não há risco de faltar água, garante o superintendente técnico da AGR Rafael Marques. A preocupação, segundo ele, é a possibilidade de salinização.
“Se o rio estiver muito baixo e a cunha salina avançar, é preocupante. Os sistemas atmosféricos que atuam no outono e inverno sobre o oceano podem levar a considerável elevação do nível do mar e favorecer a entrada de água salgada no complexo.

A salinização dos rios provoca problemas na água que para os animais, incompatibilidade para irrigação de culturas agrícolas, assim como o aumento da condutividade da água, que pode promover aceleração de problemas elétricos e dificultar o tratamento de água para distribuição à população. Uma das soluções para amenizar os efeitos do aumento da salinidade é a alteração do local de captação para outro mais distante do mar.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: AGR de Tubarão