Imbituba

O dia do Portuário, ontem, foi celebrado com festa na Companhia Docas de Imbituba. E não apenas isso, como lembra o administrador do Porto de Imbituba, Jeziel Pamato de Souza (foto). Marca a valorização do profissional portuário. “Cada trabalhador que empresta sua força diariamente aos portos brasileiros está também impulsionando a nossa economia e o nosso desenvolvimento. E cada parte é fundamental neste processo. Eu tenho orgulho de ser um trabalhador portuário há 22 anos”, declara.

Agora, o arrendamento do terminal de contêineres por uma empresa do grupo Santos Brasil conferiu uma nova fase do Porto em Imbituba. O investimento foi de R$ 283 milhões para a recuperação e a ampliação do cais acostável do Porto de Imbituba.

“Este arrendamento, conduzido pela Companhia Docas de Imbituba, deu novo fôlego à economia local, está gerando novos empregos e, em médio prazo, será um marco para a região sul do país. Com condições naturais tão propensas à atracação de grandes navios e intensa movimentação de cargas, não está distante o momento de afirmarmos que estamos transformando o porto na melhor opção logística para o norte do Rio Grande do Sul, todo o estado de Santa Catarina e o sul do Paraná”, projeta Jeziel.

Desenvolvimento
significa integração

O Porto de Imbituba não desenvolverá a região se não contar com a integração dos outros modais. A constatação é feita pelo administrador do Porto de Imbituba, Jeziel Pamato de Souza. Para ele, o aumento na movimentação de cargas não prejudicará o mercado de transportes por via terrestre.

“É imprescindível reconhecer que o desenvolvimento de Santa Catarina passa pelo Porto de Imbituba. Assim como também requer investimentos nos outros modais. Não é a cabotagem ou o transporte ferroviário que tirarão o mercado do transporte rodoviário, já arraigado na cultura brasileira.

Jeziel considera que a grande diferença é justamente a alternativa de logística. “Aproximar as regiões por vias navegáveis não só movimenta o comércio e intensifica o transporte de cargas em curta distância, como também gera maior volume de negócios para o modal rodoviário”, pontua o administrador.