O Porto de Imbituba é consolidado como um operador de granéis sólidos e contêineres. A expansão é fundamental para o desenvolvimento de toda a região sul de Santa Catarina
O Porto de Imbituba é consolidado como um operador de granéis sólidos e contêineres. A expansão é fundamental para o desenvolvimento de toda a região sul de Santa Catarina

 

Imbituba
 
Há 89 anos, a Companhia Docas de Imbituba foi fundada pelo empresário Henrique Lage, no Rio de Janeiro. O objetivo era construir um porto que atendesse a demanda do carvão catarinense. E, a partir da enseada, onde foi construído um trapiche, tornou-se o primeiro passo da realização de um empreendimento que hoje aponta para um crescimento contínuo.
 
Atualmente, quatro empresas são arrendatárias dos cinco terminais: Fertisanta (fertilizantes), Votorantim (coque), Grupo Doux (congelados) e Santos Brasil (contêineres e carga geral). Esta última investiu R$ 280 milhões no porto, com destaque na ampliação do cais em 660 metros de comprimento e os dois portêineres – guindastes que movimentam 65 toneladas para contêineres e 80 toneladas em operações de cargas especiais. 
 
Os equipamentos têm 57 metros de lança e alcançam até a 21ª fileira de contêineres de grandes embarcações e 80 toneladas em operações de cargas especiais. E podem ser vistos de vários pontos da cidade. 
 
O recebimento de navios de grande porte será possível com a dragagem para o aprofundamento do calado em 15 metros. A previsão é de que as obras iniciarem em janeiro do próximo ano. “Imbituba verá que o Porto não será apenas uma empresa, mas uma das principais molas propulsoras do crescimento e da geração de emprego e renda para as famílias. Será uma rota de grandes movimentações e atrairá empresários de turismo de negócios, que valorizam as belezas naturais de nossa cidade”, afirmou o administrador do porto, Jeziel Pamato de Souza.
 
Batalha no Porto de Imbituba
Ao narrar a história da República Juliana, sempre se enfoca no romance entre o revolucionário italiano Giuseppe Garibaldi e a catarinense Anita, que se transformou na heroína de dois mundos, ao lutar também pela unificação da Itália. A Praia do Porto, onde está instalado o Porto de Imbituba, foi o cenário da primeira batalha de Anita, que mostrou coragem e força, em 4 de novembro de 1839. 
A batalha farroupilha foi contra os três maiores navios da Armada Imperial, Bela Americana, Patagônia e Andorinha chegaram em Imbituba e imediatamente abriram fogo. Possuíam dois canhões, oito caronadas (canhão curto, leve e de pouca espessura), duas colubrinas (canhão comprido) e 154 homens. Garibaldi havia atracado as embarcações Rio Pardo e Seival na enseada de Imbituba.