#Pracegover foto: na imagem há uma mulher grávida, uma cadeira e uma mesa
#Pracegover foto: na imagem há uma mulher grávida, uma cadeira e uma mesa

As pesquisas científicas seguem em busca de novos tratamentos alternativos para inúmeras doenças já detectadas, mas ainda sem cura. Neste contexto, o sangue de cordão umbilical é considerado uma fonte rica de células capazes de dar origem a todas as células do sistema imunológico, sendo que atualmente este material já possui aprovação para uso como forma de tratamento de mais de 80 doenças, incluindo leucemias, linfomas, tumores sólidos em crianças, imunodeficiências, entre outros. Para que essas células sejam utilizadas, é preciso inicialmente coletar do recém-nascido e armazenar em local específico.

Em Tubarão, esse serviço é realizado pelo Complexo Médico Provida, parceiro do Hemocord – Laboratório de Tecnologia, localizado no Parque Tecnológico da TECNOSINOS, em São Leopoldo/RS. Único laboratório do Brasil a realizar a coleta completa no momento do parto – sangue e tecido de cordão umbilical, além da membrana amniótica.

“O Hemocord coletou o sangue da minha primeira filha e vai coletar da próxima, que já está a caminho. Na verdade, eu e meu marido resolvemos investir na ciência. Eu tenho história familiar de leucemia. E ter essa alternativa, de poder utilizar a célula tronco para combater uma série de enfermidades, fez com que escolhêssemos preservar, caso no futuro minhas filhas precisem, elas vão ter essa opção de contar com as células delas”, informa a ginecologista e obstetra do Provida, Dra. Gabriela Bicca Thiele Loch (CRM: 19.456 / RQE 15.396).

Além dos benefícios já conhecidos, estudos científicos seguem na direção dos benefícios da terapia com sangue de cordão em novas aplicações médicas, como no tratamento de paralisia cerebral, diabetes, acidente vascular cerebral e até em melhorias no espectro autista.

Coleta de células-tronco

É indolor, sem riscos à saúde, tanto de bebê quanto da mãe. É realizada somente após a entrega do recém-nascido ao pediatra. O procedimento de coleta leva em média de 3 a 5 minutos. É realizada por profissionais treinados e qualificados.

Coleta do tecido do cordão umbilical

Assim como sangue do cordão umbilical, o tecido também pode ser coletado após o nascimento. Células mesenquimais presentes nesse material, quando empregadas juntamente com o sangue do cordão, podem contribuir para melhores resultados nos transplantes de medula óssea em pacientes com doenças onco-hematológicas. Novas pesquisas apontam também que elas podem auxiliar em disfunções do fígado, doenças cardiovasculares, doenças autoimunes, doenças neurológicas e outras.

Coleta da membrana amniótica

A membrana amniótica é uma camada fina de tecido que envolve o bebê dentro da bolsa, ainda no útero. Após o nascimento essa membrana é eliminada, juntamente com a placenta. Estudos indicam que essa membrana pode ser um curativo biológico, ajudar na proteção as feridas, acelerar o processo de cicatrização e até no alívio da dor, por isso, torna-se relevante em casos de queimaduras graves, úlceras varicosas ou diabéticas, entre outras indicações. A membrana amniótica pode ser usada em qualquer familiar, pois não há necessidade de compatibilidade.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: Provida