Carolina Carradore
Tubarão

O prefeito de Laguna, Célio Antônio (PT), voltou de Florianópolis rindo à toa: ele permanece no cargo. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) deferiu a liminar que concedeu efeito suspensivo contra a sentença proferida na semana passada que cassava os mandatos de Célio e do vice, Luis Fernando Shiefler Lopes (PP).

A juíza Cláudia Lambert de Faria cita na decisão que o TRE prefere aguardar o desfecho do julgamento do processo contra os dois políticos, acusados de compra de votos nas eleições de 2008. “A posse do segundo colocado poderá conduzir a graves embaraços para a administração pública, principalmente por se tratar de debate acerca da chefia do poder executivo”, argumenta a juíza.

Célio Antônio e Fernando seriam intimados nesta quarta-feira pelo juiz de Laguna, Renato Bratti, para que deixassem o cargo. Ele havia marcado também a diplomação de Mauro Candemil (PMDB), segundo colocado nas eleições, para quarta-feira. Porém, nada disso ocorrerá e o prefeito permanece no cargo até que seja julgado o processo no Tribunal.

Com a decisão da juíza, Célio pode dar continuidade na busca de R$ 4 milhões, dinheiro que Laguna necessita para consertar os estragos causados pelas chuvas das últimas semanas. Na próxima semana, ele viaja a Brasília, onde verifica junto ao Ministério da Integração a possibilidade de liberação da verba. “Esperamos que o processo seja julgado o mais rápido possível. Vamos continuar os trabalhos na prefeitura e lutar para colocar a cidade em ordem, após os estragos feitos pelo tempo”, afirma Célio.