Tubarão

Há um ano, a Policlínica Central ganhou um recurso importante para a comunidade, o atendimento clínico de urgência. Com objetivo de diminuir a demanda do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) e desafogar o setor de emergência e urgência, a Prefeitura de Tubarão ampliou o acesso dos tubaronenses à saúde. Com um ano de serviços em horário estendido, a equipe chegou a realizar mais de 12,5 mil consultas médicas nesse período.

O atendimento clínico geral foi implantado também para complementar os serviços das Unidades Básicas de Saúde (UBS), que encerram às 16 horas. A partir desse horário, até as 22 horas, os pacientes que não puderem comparecer no horário de atendimento regular do posto, podem procurar a policlínica, desde que tenham sinais e sintomas de urgência.

Não só os atendimentos médicos contam, pois existe um protocolo de colhimento de classificação de risco nos atendimentos. Diariamente, a equipe atende em média 60 pessoas por dia e, nesse processo, foram quase 16 mil pacientes atendidos pela enfermagem e outras 3 mil pelos técnicos. Esses são números que representam o quanto o horário estendido é necessário para a população.

“Essa ação foi uma das mais importantes que fizemos nesses três anos, pois abrimos um serviço que não possuía antes, um diferencial, com atendimentos médicos, farmacêutico e de vacinas. Eu, Joares e Caio ficamos muitos contentes que essa ação que planejamos está dando muito certo e tem beneficiado bastante a população”, comenta o diretor-presidente da Fundação Municipal de Saúde, Daisson José Trevisol.

 
Serviços ampliados

Durante todo esse tempo, outros processos foram incluídos nesse horário ampliado. Em junho de 2019, foi implantado um posto farmacêutico exclusivo dentro da Policlínica Central, onde os pacientes consultados no horário estendido e que necessitam de remédios, já saem com eles em mãos. A ação já entregou mais de 5,4 mil medicamentos para os tubaronenses.

Em setembro, a Sala de Vacina começou a oferecer o serviço até as 22 horas, com distribuição de senhas até as 21 horas. Em seis meses, 2,4 mil pessoas já foram beneficiadas pelo serviço.

Para Rita de Cássia Schmitz, coordenadora geral da Policlínica Central, a ampliação dos serviços demonstra o comprometimento da equipe com a saúde da comunidade. “Sentimento de gratidão por fazer parte desde projeto do prefeito Joares, do vice Caio e secretário Daisson. O comprometimento e a responsabilidade das equipes da Policlínica, Farmácia, e Sala de Vacina quanto ao atendimento humanizado aos tubaronenses se mostram nesses detalhes”.

Classificação de risco

O atendimento da Policlínica é determinado pelo protocolo de colhimento de classificação de risco, onde após uma triagem baseada nos sintomas do paciente, ele é identificado por cores. Assim, representando o seu quadro e o tempo de espera. “As pessoas tão entendendo cada vez mais que a classificação de risco e como ela é importante. Hoje, os pacientes que vêm procurar atendimento são pacientes que já estão dentro da classificação de risco, isso é muito bom”, relata a coordenadora.