A Polícia Civil de Goiás visitou nesta terça-feira (18) a Casa Dom Inácio de Loyola, onde o médium João de Deus fazia atendimentos espirituais. As diligências – coleta de provas – buscam indícios de que o médium possa ter praticado os crimes de estupro, abuso e assédio sexual contra, pelo menos, 330 mulheres que o denunciaram.

Os agentes chegaram ao local por volta das 14h30. Eles teriam se instalado em uma sala usada como administração do local. Já era esperado que mandados de busca e apreensão fossem emitidos para o endereço. Ao todo, foram expedidos 20 mandados de busca e apreensão.

Apesar de dizer que não sabia dos mandados, o principal advogado de João de Deus, Alberto Toron, afirmou que a polícia teria “amplo acesso” ao que fosse preciso e prometeu colaborar com as autoridades.