Wagner da Silva
Braço do Norte

Após receber várias críticas por parte de membros da Associação de Moradores dos Bairros Floresta e Trevo (AMBFT), a administração de Braço do Norte faz sua defesa. Os associados reclamam da falta de comprometimento quanto a aprovação do Plano Diretor do município. Os gestores rebatem. Garantem que há vontade, mas a lei está emperrada por conta de modificações que foram feitas.

O maior problema seria a dificuldade em encontrar profissionais capacitados para realizar as alterações necessárias, afirma o secretário de governo e cidadania da prefeitura, André Leandro Richter. Após analisar o plano – pouco tempo depois de aprovado na gestão do ex-prefeito Luiz Kuerten (PP), o Tilico -, André informa ter encontrado divergências de informações entre o conteúdo escrito e os mapas descritivos.

Por estes motivos, a lei está engavetada na câmara de vereadores há 19 meses. “Nos mapas, por exemplo, há situações em que a área deveria ser de preservação ambiental. No entanto são locais habitados, com casas e empresas instaladas há décadas”, especifica o secretário.

O prefeito Evanísio Uliano (PP), o Vânio, confirma o problema. “Não encontramos nenhuma empresa que trabalhe com o software utilizado pela Finatec, a responsável pelo estudo do documento. Também temos muitos projetos parados por falta do Plano Diretor”, lamenta Vânio.