Wagner da Silva
Braço do Norte

Pesquisadores de diversas áreas de universidades do sul do estado reuniram-se esta semana, em Florianópolis, para definir como será feita a análise do Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) referente à exploração de fosfato em Anitápolis. Contudo, os técnicos ainda não tiveram acesso aos documentos de instalação da

Indústria de Fosfatados Catarinense (IFC).
O grupo avaliará as três mil páginas do processo de Licenciamento Ambiental Prévio (LAP), emitido pela Fatma em abril. Os técnicos identificarão as inconsistências e riscos do projeto. Os dados serão então repassados aos interessados. A avaliação será usada na audiência pública em Braço do Norte. A data ainda não está marcada.
O assessor de comunicação da IFC, Marcus Aurélio de Castro, garante que a empresa cumpriu todos os passos do licenciamento ambiental e realizou as audiências públicas na quantidade e locais determinados pela Fatma.