Braço do Norte

A sorte está lançada em Braço do Norte. Domingo, dois fortes grupos disputarão a preferência dos eleitores da cidade. De um lado está a coligação Com a Força do Povo, onde estão as siglas PMDB, DEM, PTB, PDR, PRB, PPS e PSB. O grupo é encabeçado pela candidata à prefeita Zalene Niehues Matos (PMDB) e Charles Bianchini (DEM), a vice. Do outro, estão os candidatos Evanísio Uliano, o Vânio (PP), que pleiteia a vaga de prefeito e Valberto Michels (PT), a vice. Eles estão a frente da coligação Braço do Norte em Boas Mãos, formado pelas siglas PP, PT e PR.

Contratado pelo Notisul, o Instituto de Pesquisas Catarinense (IPC), de Criciúma, entrevistou 500 eleitores nos 20 bairros da cidade nesta terça e quarta-feira. A quantidade de cidadãos entrevistados em cada localidade é proporcional ao número de eleitores de acordo com os dados da justiça eleitoral. Outro detalhe importante: foram coletadas as respostas somente em residências sem comprometimento eleitoral (onde não haviam placas ou faixas dos candidatos concorrentes) a fim de garantir números confiáveis (o grau de confiabilidade da pesquisa é de 95%).

Conforme a tabulação, feita ontem, há um empate técnico entre os concorrentes, já que a marge de erro é de 4,3% para mais ou para menos. Porém, o que mais chama a atenção é o número de indecisos. Na questão “espontânea”, Zalene Matos ficou com 37,2% (ou 186 votos) da preferência, enquanto Vânio Uliano tem outros 33,8% (169 votos). A diferença entre os candidatos é de 3,4%. Em contrapartida, 119 pessoas (ou 23,8% dos entrevistas) declararam não saberem em quem irão votar domingo. Outros 26 (5,2%) dizem que não votarão em nenhum dos dois concorrentes.

Na questão “estimulada” a diferença entre Zalene e Uliano é um pouco maior: 3,6%. Ela levou 41% (205) das intenções de voto, enquanto ele obteve 37,4% (187) votos. Neste caso, a quantidade de eleitores declaradamente indecisos é 7,8% menor que na pergunta anterior. Ou seja: 80 pessoas (16%) ainda não escolheram candidato. Outros 5,6% (ou 28 eleitores) dizem que não votarão em nenhum dos concorrentes (0,4% maior que na pergunta anterior).

Enquanto os dois candidatos aproveitarão para ir atrás dos eleitores indecisos hoje a amanhã, antevéspera da eleição suplementar, existe um outro número a ser considerado também. Dos 500 entrevistados, 150 (30%) dizem que poderão mudar o voto até o dia do pleito. Já outros 350 (70%) garantem que já escolheram se votarão na dupla Zalene e Charles ou em Vânio e Valberto.

A pesquisa
A pesquisa eleitoral feita para o Notisul por uma equipe especializada do Instituto de Pesquisas Catarinense (IPC), de Criciúma, está em conformidade com o artigo 33 da lei 9.504 de 30 de setembro de 1997 e a resolução 22.623/2007 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A coleta de dados foi feita nesta terça e quarta-feira com 500 pessoas. A margem de erro máxima é de 4,3% (tanto para mais quanto para menos). O pedido de registro da pesquisa foi protocolado na 44ª Zona Eleitoral sob o número 11133/2009 e registrada com o número 1057/2009, no último sábado. A pesquisa publicada hoje pelo Notisul é a mais atual desta eleição municipal. Mais informações sobre a pesquisa na coluna ‘Contexto’ deste site.

Pesquisa e enquete
Ontem, dezenas de leitores de Braço do Norte ainda manifestaram dúvidas sobre a enquete no site do Notisul. Como devidamente explicado abaixo dos ícones para o voto, enquete não é pesquisa eleitoral, depende da participação espontânea dos interessados e a mobilização dos partidos reflete no resultado…

Critérios científicos
Já a pesquisa publicada na edição de hoje (veja nota principal da coluna e a página 4) tem critérios científicos, foi realizada por um instituto sério e com experiência na área. Foi estratificada por bairros, de acordo com o percentual de eleitores de cada um…

Indecisos
O número de eleitores indecisos na pesquisa Notisul/IPC apontou 23,80% na espontânea e 16% na estimulada. Dados para as duas coligações refletirem, “correrem” atrás de quem ainda não se decidiu. O quadro é bem diferente do de outubro do ano passado. A frase é óbvia, mas o resultado mesmo só nas urnas domingo.