Cíntia Abreu
Laguna

Os pescadores artesanais da região lagunar começam a receber o seguro-defeso do camarão no próximo mês. No valor de um salário mínimo (R$ 465,00). Do dia 15 de julho (hoje) a 15 de novembro, é proibida a captura do crustáceo em todo o complexo, como forma de garantir a sua reprodução.

“Para receber o salário, o trabalhador deve apresentar a sua carteira de pesca e o comprovante do seguro anterior, no Ministério do Trabalho”, explica o delegado do Sindicato da Pesca (Sindipesca) na Amurel, Gilberto Fernandes da Silva.
O trabalho de cadastramento dos pescadores está mais ágil neste ano. “Antigamente, tínhamos que enviar os dados à capital do estado. Agora, é tudo realizado pelo Ministério do Trabalho de Laguna. Isto facilita muito a categoria”, elogia Gilberto.

Na opinião do delegado do sindicato, o Programa Estadual de Gerenciamento Costeiro (Gerco), que visa aplicar o uso sustentável dos espaços litorâneos, ordenando a ocupação do solo e dos recursos naturais do litoral, já resulta em um bom trabalho para a região. “Em Paulo Lopes, onde ocorreu a apresentação do projeto, tivemos uma boa impressão do apoio de todos os prefeitos”, ressalta.

O primeiro passo do programa é solucionar o problema gerado por algumas ONGs da região. Muitas não informam endereço fixo, muito menos têm uma sede. “Há muitas pessoas que enganam o pescador mais humilde. Estamos revoltados com alguns casos ocorridos em Laguna. O Gerco trabalhará contra isto”, avisa Gilberto.
A expectativa é que o resultado da safra da tainha seja positivo. “Não temos os dados oficiais, mas, com certeza, foi superior à anterior”, avalia o delegado, que também observa que a safra da anchova será positiva, pois, somente de anchovita, na região do Camacho, já foram pescadas cerca de 30 toneladas.