O Partido Progressista sai vitorioso das urnas no município pela quinta vez consecutiva. Castilho Silvano (PP) faz o seu sucessor.

Jailson Vieira/Willian Reis
Sangão

Dalmir Carara Cândido, o Dalmir Pinto, e Valdeci Serafim, o Nego do Frizzo, ambos do Partido Progressista (PP), foram eleitos, respectivamente, prefeito e vice-prefeito de Sangão. O pleito eleitoral suplementar ocorreu ontem entre 8 e 17 horas. Dos 8.374 eleitores, 7.276 foram às urnas no município que completou 25 anos de emancipação político-administrativa na última quinta-feira.

Destes 7.276 votantes, 3.680 eleitores escolheram o candidato do PP e 3.453 preferiram Herivelto de Castro Reynaldo e Paulo Jorge Machado, estes do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Os vencedores obtiveram 51,59% dos votos válidos, enquanto os derrotados no pleito suplementar ficaram com 48,41%. Os votos brancos chegaram a 54 (0,74%) e nulos 89 (1,22%).

O prefeito eleito, Dalmir Pinto, chegou a disputar as eleições do ano passado como candidato a vice-prefeito. Na ocasião, encabeçava a chapa pepista o ex-prefeito Castilho Silvano Vieira, considerado inelegível pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O novo chefe do poder executivo substituirá nos próximos dias Ânderson de Souza (PP), o qual governa a cidade interinamente desde os primeiros dias de janeiro. Com a chegada de Pinto na prefeitura, Ânderson reassume a presidência da Câmara de Vereadores.

Com a vitória de ontem, Dalmir estabeleceu a quinta conquista seguida do Partido Progressista no município. Conforme o analista judiciário do 33º cartório eleitoral de Tubarão, Ricardo Leonetti de Oliveira, foram 22 seções eleitorais, em cinco locais de votação. “Não tivemos registros de troca de urnas. Um fato, porém, chamou a atenção, uma criança foi atingida por um rojão ou fogo de artifício. Mas o episódio não foi considerado crime eleitoral. Ainda não sabemos a causa do ocorrido”, explicou Ricardo.

A equipe do Notisul entrou em contato com o novo gestor, porém, ele não atendeu e nem retornou as ligações.

Dalmir Pinto e Nego do Frizzo obtiveram 51,59% dos votos válidos, enquanto os derrotados no pleito suplementar ficaram com 48,41%.

TSE nega candidatura de Castilho
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou, por unanimidade, o registro de candidatura de Castilho Silvano Vieira (PP), por considerá-lo inelegível para o cargo, pois, caso fosse eleito, iria cumprir um terceiro mandato, situação vedada pela Constituição Federal. Castilho havia sido eleito vice-prefeito em 2008. Nos seis meses anteriores à eleição de 2012, substituiu o prefeito pelo período de um mês. Em 2012, foi eleito prefeito e, nas eleições de 2016, requereu o registro para se candidatar novamente ao cargo na majoritária.

O TSE entendeu que o registro deveria ser indeferido por se tratar de um terceiro mandato para o mesmo cargo. Como a chapa recebeu mais de 50% dos votos válidos, foi determinada a realização de nova eleição no município. O TRE-SC havia dado provimento ao recurso do candidato (Acórdão TRESC nº 31.904/2016), que havia tido seu pedido de registro de candidatura indeferido pelo juiz da 33º zona eleitoral – Tubarão. O TSE votou pelo provimento do recurso da Coligação Sangão Pode Mais contra o registro do candidato.

Período pré-eleitoral teve registro de agressões
O período que antecedeu as eleições em Sangão foi conturbado. Em 21 de fevereiro, primos que estavam em lados opostos na campanha partiram para uma briga no pátio da lavação de automóveis de um deles. Cada um dos envolvidos tem a sua versão para o início da discussão. Um dos dois, que foi mordido no nariz, garante que o motivo tem ligação política.

Dois dias depois, um novo confronto entre os primos terminou em troca de tiros, que atingiu um carro. Por sorte, ninguém ficou ferido. O clima de tensão levou a delegada Isabel Fauth a solicitar medida cautelar restritiva ao juiz da Comarca, Gustavo Schlupp Winter, que a aplicou a cinco envolvidos.
A medida vale até a próxima sexta-feira. Com isso, eles continuam proibidos de frequentar reuniões, bares, festas, sessões da Câmara de Vereadores e similares. No período noturno, devem se recolher às suas casas.

Em SC, em Bom Jardim da Serra, também ocorreu pleito
Além de Sangão, a eleição suplementar também ocorreu em Bom Jardim da Serra, na região serrana do estado. O candidato Serginho Rodrigues de Oliveira (PTB) foi eleito com 50,85% dos votos válidos. Ele terá como vice-prefeito Lourival Amaral (PSDB). Foram 1.613 votos contra 1.559 do candidato Pedro Ostetto. A cidade possui quatro mil eleitores, entretanto, de acordo com o TRE-SC, 11,43% dos votantes não foram às urnas em Bom Jardim da Serra.

O novo pleito foi convocado porque a então candidata a vice-prefeita Priscila Dias (PSDB), que integrava a chapa de Serginho Rodrigues de Oliveira, havia sido declarada inelegível.

Como o indeferimento ocorreu a poucos dias da votação, a candidatura dela não pôde ser substituída, e a chapa acabou concorrendo e vencendo com mais de 50% dos votos válidos. O Tribunal Regional Eleitoral (TSE), contudo, manteve o indeferimento.
No município serrano, a prefeitura tem sido comandada pelo presidente da Câmara, Pedro Luiz Ostetto (PSD).

Foto: Fabrício de Bittencourt Filho/Divulgação/Notisul

Publicado à 1h36min desta segunda-feira (03/04/2017)