Penha, no Litoral Norte, decretou na manhã desta sexta-feira (18) situação de emergência após estragos causados pela chuva de quinta-feira (17). Segundo a prefeitura, 47 pessoas ficaram desabrigadas, 400 famílias desalojadas e 1,3 mil residências foram afetadas.

O decreto assinado pela prefeitura possibilita a contratação de serviços sem licitação, pelo prazo de 180 dias. A coordenadora da Defesa Civil do município, Edinéia Correa, disse que ainda será elaborado um relatório para pleitear a liberação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) das famílias atingidas.

Os bairros afetados foram Praia de Armação do Itapocoroy, Nossa Senhora de Fátima, São Cristóvão, São Nicolau, Gravatá e Centro, bem como as localidades de São Miguel, Praia de Alegre, Olaria, Cohab e São Francisco de Assis.

Conforme a prefeitura, cinco casas tiveram danos estruturais e vários botes foram perdidos. Os serviços de saúde, água e luz já foram restabelecidos nesta sexta.

Defesa Civil avalia situação do estado

“Nós estamos com bastante equipes trabalhando no Norte do estado, na Grande Florianópolis e Oeste fazendo as avaliações. A princípio são vendavais e chuvas mal distribuídas que fazem com que o município que coleta essa água não consiga absorver tudo isso”, disse o secretário de Defesa Civil estadual, João Batista Cordeiro Júnior, na manhã desta sexta-feira.

Até o meio-dia desta sexta-feira, a Defesa Civil estadual não divulgou o balanço de estragos e cidades afetadas pelas chuvas.

A Defesa Civil informa que nesta sexta-feira há riscos de temporais, pancadas de chuva com trovoada em todas as regiões, principalmente do Oeste ao Sul. A Defesa Civil disponibiliza um número para receber alertas, que é o 40199.