#Pracegover Foto: na imagem há um homem de camisa branca, máscara azul e um microfone
#Pracegover Foto: na imagem há um homem de camisa branca, máscara azul e um microfone

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, defendeu nesta segunda-feira a aplicação de uma única dose da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford como estratégia para aumentar o número de imunizados contra a Covid-19 no país.

Segundo o ministro, a eficácia da aplicação de uma dose já garante a taxa necessária para reduzir sensivelmente as infecções pelo novo coronavírus no Brasil. “Com duas doses, você vai a mais de 90% (de eficácia), com uma você vai a 71%”, disse.

“Talvez o foco agora seja não na imunidade completa, e sim na redução da contaminação, e aí a pandemia diminui muito”, esclareceu. Ele complementou citando que a segunda dose pode ser aplicada futuramente, caso se ache necessário.

“Dia D e na hora H”

Pazuello evitou cravar uma data de início para a vacinação contra a Covid-19 no País. Segundo o ministro, que tem sido cobrado por governadores e prefeitos do País para a definição de um calendário, a imunização no País irá começar “no dia D e hora H”.

No evento em Manaus, marcado para apresentar a estratégia de enfrentamento da Covid-19 no Amazonas, Pazuello fez questão de falar usando a máscara, “para dar o exemplo”. “Apesar de dificultar um pouco a dicção, peço desculpas por isso”, declarou.

Ele também elogiou a imprensa. Disse que ela tem papel fundamental na divulgação das informações sobre a doença e afirmou que não se pode ter indiferença em relação às vítimas da pandemia.

O titular da Saúde voltou a declarar que o Brasil já tem contratos para receber 354 milhões de doses de vacinas. “Não é sinalizado, não é memorando de entendimento, é contratado. É empenho, liquidação e pagamento”, assegurou.

Pazuello contou que as 210 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca começam a ser produzidas no Brasil pela Fiocruz no final de janeiro.

“Sempre foi esse o plano, mas estamos fechando a importação de 2 milhões de doses, igual ao Butantan fez. Estão vindo da fábrica da AstraZeneca na Índia, onde já tem autorização de uso emergencial. Pode facilitar, mas não resolve. E a Índia tem que deixar sair as doses”, detalhou.  Ele espera uma solução para o impasse com a Índia nos próximos dez dias.

Além de falar do imunizante de Oxford, o ministro comentou que há uma boa relação da pasta com o Instituto Butantan, responsável por fabricar no país a vacina CoronaVac. O órgão paulista, assim como fez a Fiocruz, entrou com um pedido na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial de sua vacina na sexta-feira (8).

“O Butantan, autarquia de Estado, já produz 75% das vacinas que o Ministério da Saúde distribui. Somos o único cliente deles nessa quantidade e nunca deixamos de ter relação”, observou Pazuello.

E complementou afirmando que a fase 3 da vacina chinesa e brasileira foi financiada “por intermédio do Ministério da Saúde”. “Nunca deixamos de trabalhar tecnicamente com o Butantan”, garantiu.