#Pracegover Na foto, Bolsonaro aparece tomando café
Foto: Reprodução Internet

O deputado federal David Miranda (PSOL-RJ) encaminhou à Procuradoria-Geral da República uma ação pedindo que Augusto Aras, chefe do Ministério Público Federal, instaure uma investigação para apurar o gasto de R$ 1,8 bilhão do governo federal em alimentos e bebidas no ano de 2020.

O valor, levantado pelo portal Metrópoles registra que o gasto do último ano foi 20% superior em relação a 2019, as informações foram retiradas do Painel de Compras – Execução (economia.gov.br). A reportagem considerou apenas os itens que somaram mais de R$ 1 milhão pagos.

Na lista tem arroz, feijão, carne bovina e suína, batata frita, salada, molho inglês, molho de pimenta, biscoitos, sorvete, massa de pastel, leite condensado, pizza, vinho, bombom, chantilly, sagu e chiclete.

“Só em goma de mascar, foram R$ 2.203.681, 89 aos cofres públicos. Sem contar a compra de molho shoyo, molho inglês e molho de pimenta que, juntos, somam mais de R$ 14 milhões do montante pago. Pizza e refrigerante também fizeram parte do cardápio do ano. Débito de R$ 32,7 milhões dos cofres da União”, escreveu a reportagem.

Segundo registrado na ação, o deputado afirma que a investigação deve ser aberta devido a “um conjunto de fatores que vai desde a ineficiência do governo federal no enfrentamento das crises ora instaladas, passando pelo aumento do desemprego e cortes de orçamento da agricultura familiar, até as políticas neoliberais e ultra neoliberais fomentadas pelo Ministério da Economia que geram o crescimento da pobreza e da extrema pobreza de forma acelerada. Ainda, há que se falar do desmonte das políticas de segurança alimentar e nutricional e soberania alimentar. Nesse sentido, esse desmonte vai ao encontro do agravamento das condições de vida da população pobre, que ficou completamente desprovida de assistência, gerando, assim, um quadro de crescimento da pobreza e abandono”, disse Miranda.

Além dele, as parlamentares Sâmia Bomfim (PSOL-SP), Fernanda Melchionna (PSOL-RS) e Vivi Reis (PSOL-PA) também assinam o documento, que solicita a investigação dos gastos e a responsabilização do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Em contraste a toda situação de empobrecimento e miserabilidade de considerável parcela da população brasileira, os portais de transparência do governo revelam que foram gastos, no ano de 2020, por exemplo, mais de R$ 2,5 milhões com aquisição de vinhos para o Ministério da Defesa. A aquisição de leite condensado durante o ano de 2020, pelo governo federal, ultrapassou o valor de R$ 15 milhões. Diante desse completo disparate que divide espaço com supostos crimes de responsabilidade, solicito a esta Procuradoria que receba o presente ofício sob a forma de notícia de fato”, pediu o deputado.

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente, usou as redes sociais para reforçar que os valores “correspondem a todo o Poder Executivo, incluindo a Presidência, Vice-Presidência, ministérios, Forças Armadas e Autarquias, além de programas sociais”.

O Ministério da Economia afirmou em nota que a maior parte da despesa está no Ministério da Defesa “porque se refere à alimentação das tropas das forças armadas em serviço”. “Toda despesa efetuada pela Administração Pública Federal está dentro do orçamento”, finalizou.

Com informações de Jovem Pan e Metro 1

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul