Amanda Menger
Tubarão

A regional do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Estadual (Sinte) em Tubarão decidiu intensificar a mobilização da categoria a partir de hoje. O comando de greve, responsável por articular a paralisação das atividades, foi escolhido na noite de sexta-feira. De acordo com os dados divulgados pela secretaria estadual da educação, 11 professores e dois funcionários aderiram à greve em Tubarão, nove em Laguna, e Braço do Norte continua sem registro nenhum.

A coordenadora regional do Sinte, Maria Aparecida de Farias, a Quinha, acredita que o número deva aumentar a partir de hoje. “Visitaremos todas as escolas de Tubarão e, aos poucos, mais professores devem paralisar”, avalia. A expectativa é otimista porque em cidades vizinhas, como Criciúma, a segunda maior escola do estado, o Colegião, está completamente parada.

Para a coordenadora, neste ano, o clima entre os professores está diferente. “Eles estão receosos de fazer a greve, mas indignados com o tal prêmio Educar”, relata Quinha. O governo oferece a categoria uma verba indenizatória em duas parcelas de R$ 100,00. O Sinte reivindica a incorporação do abono de R$ 100,00 e um reajuste de 7%.

Nesta quarta-feira, o comando estadual de greve fará uma reunião, em Florianópolis, para avaliar o movimento. O secretário de educação do estado, Paulo Bauer, garantiu que os professores e funcionários em greve terão o ponto cortado e o salário descontado.