São Paulo (SP)

Os procuradores da República Anamara Osório Silva e Rodrigo de Grandis pediram a abertura de um procedimento administrativo para verificar se houve obstruções nas investigações da Operação Satiagraha pela própria Polícia Federal. O delegado Protógenes Queiroz, que alega ter sido afastado das investigações, fez uma queixa formal ao Ministério Público Federal em São Paulo, reclamando da falta de recursos humanos e materiais para a condução da investigação.

No início da semana, o diretor de combate ao crime organizado da Polícia Federal, Roberto Troncon, havia se comprometido a entregar ao MPF a íntegra da gravação feita na reunião ocorrida na Polícia Federal na qual foi decidida a saída de Protógenes Queiroz. O deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR) também solicitou investigações e o áudio na íntegra.

A gravação será um dos elementos que poderão ser usados para instruir a apuração. A PF divulgou cerca de quatro minutos do encontro realizado entre a diretoria da PF e o delegado Protógenes.
Em um dos trechos, o delegado reconheceu falhas ao anunciar à diretoria que deixaria a linha de frente do inquérito da operação.