Zahyra Mattar
Tubarão

A primeira etapa das obras de remodelação do campus de Tubarão da Unisul segue normalmente. Apesar das fortes chuvas registradas em novembro de 2008 e janeiro deste ano, o cronograma de execução não foi alterado. As obras fazem parte do Plano Diretor da universidade, concretizado ainda no ano passado, quando começaram a execução da primeira etapa, onde está compreendida a edificação de três quadras poliesportivas, o Shopping Acadêmico (ou Centro de Convivência, o nome exato ainda não está definido) e a restauração do prédio histórico, hoje sede da universidade.

O pouco atraso detectado até agora está no prazo de entrega das quadras. A intenção era inaugurá-las no início do próximo mês. “Acredito que ficará para dia 15 ou 20 de março. Trabalhamos até nos fins de semana para cumprir esta meta. Caso não seja possível, ficará para abril”, destaca a diretora adjunta do campus de Tubarão e Araranguá da Unisul, Alexandra Ferro de Mello.

O Shopping Acadêmico, cuja obras iniciam em breve (ainda neste primeiro semestre) deve ser terminado até julho do próximo ano. Já quanto ao restauro do prédio histórico, os trabalhos já iniciaram. O prazo de conclusão, porém, é maior por ser um serviço extremamente minucioso. A primeira parte ficará pronta também em julho de 2010. A finalização completa, no entanto, será somente em 2014, junto com todos os outros trabalhos previstos no Plano Diretor Físico.
Ao todo, serão investidos R$ 18 milhões para a implantação do plano nos próximos cinco anos. Deste total, R$ 4 milhões são da universidade, R$ 7 milhões de outros investidores e R$ 7 milhões através, provavelmente, da Lei Rouanet de incentivo à cultura, do Ministério da Cultura (MIC).

Um dos pontos que mais chama a atenção nas obras é a questão ambiental. Todos os prédios terão sistema de aproveitamento da água da chuva e tratamento independente de efluentes. Ainda dentro deste mote, está a idealização do primeiro jardim botânico do estado. “Na realidade, a universidade estará inserida dentro de um bosque, com plantas nativas da região”, explica a diretora adjunta.