O temor dos catarinenses é que, com o afastamento do diretor-geral do Dnit, as obras sejam interrompidas
O temor dos catarinenses é que, com o afastamento do diretor-geral do Dnit, as obras sejam interrompidas

 

Karen Novochadlo
Tubarão
 
Por enquanto, as obras na BR-101 seguem normalmente. Esta é a posição da superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Nos últimos dias, uma reportagem publicada na Veja apontou uma série de supostas irregularidades quanto à cobrança de propinas sobre os contratos do Ministério dos Transportes com as empreiteiras e superfaturamento.
 
Todas estas denúncias envolviam a cúpula da pasta, que acabou afastada. O próprio diretor-geral do Dnit, Luiz Antonio Pagot, foi obrigado a deixar o cargo. 
 
Ontem, um comunicado do ministro determinou por 30 dias a suspensão de todos os procedimentos licitatórios de projetos, obras e serviços de engenharia em andamento, além de aditivos com impacto financeiro. O superintendente regional do Dnit para a região sul, Avani Aguiar de Sá, garante que as obras na BR-101 por aqui continuam. 
 
O maior temor dos catarinenses agora é que, com o afastamento, as obras de duplicação na BR-101 demorem mais ainda a serem concluídas. De acordo com a assessoria da superintendência no estado, nenhum documento chegou até ontem com pedido de paralisação, mas não há garantias para o futuro. Todas as licitações previstas serão realizadas e as obras seguem. 
 
A controladoria-geral da União deverá fazer uma auditoria em todas as licitações de obras do ministério. O ministro dos transportes, Alfredo Nascimento, não foi exonerado. Ele deverá participar, na próxima semana, de uma audiência no congresso para explicar as denúncias. No lugar de Pagot, entrou José Henrique Sadok de Sá, que estava na direção executiva do Dnit.
 
Apresentação do relatório é adiada
A reunião, marcada para o dia 1º do próximo mês, onde seria apresentado o terceiro relatório de ampliação da BR-101, foi cancelada. A apresentação seria na assembleia legislativa. Os dirigentes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) que fariam a explanação foram afastados. 
Ainda não há previsão para a assinatura da ordem de serviço da nova ponte de Cabeçudas, em Laguna. O consórcio Camargo/Correia ainda busca as licenças ambientais para a instalação do canteiro de obras. 
E o processo de licitação do túnel no Morro do Formigão continua. Participantes entraram com recursos para impedir a suspensão do edital. Também está em processo licitatório a execução das obras nas pistas complementares à nova ponte sobre o canal de Laranjeiras.