Secretário de infraestrutura da prefeitura de Tubarão, Ricardo Gaspar Cardoso, mostra o andamento das obras de microdrenagem na margem esquerda. Segundo ele, todo o processo será retomado logo que a licença ambiental para o corte de árvores foi expedida
Secretário de infraestrutura da prefeitura de Tubarão, Ricardo Gaspar Cardoso, mostra o andamento das obras de microdrenagem na margem esquerda. Segundo ele, todo o processo será retomado logo que a licença ambiental para o corte de árvores foi expedida

 

Angelica Brunatto
Tubarão
 
Uma semana após o início, a obra da microdrenagem, em Tubarão, já enfrenta problemas. Três questões dificultam o andamento dos trabalhos na avenida José Acácio Moreira (beira rio da Unisul), na margem esquerda.
 
O fluxo de carros foi bloqueado em frente da secretaria de desenvolvimento regional, para a retirada das lajotas da rua Luiz Pedro de Oliveira (lateral da SDR) e, com isso, iniciar a instalação da nova rede de drenagem.
 
Mas o serviço não tem como ser continuado. O motivo: a rede de água e a de fibra óptica que passam pela rua precisam ser removidas. Além disso, para a instalação da caixa coletora, que ligará a tubulação da avenida José Acácio com a da Luiz Pedro de Oliveira, é necessário o uso de um bate-estaca. 
 
Este equipamento possui 14 metros de altura, mas com os fios de energia é impossível colocar o bate-estaca no local sem cortar a energia elétrica de toda a área. “Por isso, este procedimento será feito aos fins de semana”, lamenta o secretário de infraestrutura da prefeitura de Tubarão, Ricardo Gaspar Cardoso. 
 
Por estes motivos, o cronograma das obras foi alterado. Inicialmente, o projeto começaria na José Acácio Moreira e rua Simeão Esmeraldino de Menezes (acesso ao bloco pedagógico da Unisul). Agora os serviços estão concentrados às margens do Rio Tubarão. 
 
Mas existe outro problema. Para que os trabalhos continuem, três árvores exóticas precisam ser cortadas. A licença ambiental já foi solicitada, mas enquanto não for expedida, os trabalhos seguirão paralisados.
 
O projeto
A obra de microdrenagem na margem esquerda, em Tubarão, tem o principal objetivo de prevenir contra enchentes e evitar grandes alagamentos em toda a região dos bairros Humaitá, Dehon, Morrotes, Vila Elisa e Centro. Cerca de 28 mil pessoas serão beneficiadas. A execução do projeto é aguardada desde 2009.  
Além da microdrenagem, o projeto envolve a construção de galerias, além da implantação de caixas de ligação e passagem d’água. A obra foi licitada pelo valor de R$ 3.933.318,69. Estes recursos são do governo federal e os trabalhos são assinados pela empresa Coenco, de Gravatal. A prefeitura também participa financeiramente, com pouco mais de R$ 1 milhão.
O projeto da microdrenagem será completado, ainda, pela construção de três estações elevatórias. Duas na avenida Padre Geraldo Spettmann (da rodoviária) – uma na esquina com a avenida Getúlio Vargas (beira-rio – cabeceira da ponte Nereu Ramos) e outra no fim da avenida, próximo à BR-101.
A terceira fica na comunidade do Pantanal. Esta obra beneficiará cerca de oito mil famílias. O investimento deverá ser de quase R$ 500 mil, cuja origem também é um convênio entre a prefeitura, que dará uma contrapartida, e o governo federal.
 
Trânsito será liberado
Há uma semana bloqueado, o trânsito na avenida José Acácio Moreira deverá ser reaberto hoje. O local voltará a ser bloqueado somente após a expedição da licença ambiental para o corte das três árvores.