Zahyra Mattar
Tubarão

A maquete que mostra a nova câmara de vereadores de Tubarão impressiona. O prédio, suspenso, é dividido em três partes e feito com um único propósito: levar as pessoas para participar das sessões.

O projeto arquitetônico, elaborado pela Fundação de Apoio à Educação, Pesquisa e Extensão da Unisul (Faepesul) sem custo aos cofres do legislativo, foi apresentado esta semana. A nova sede é avaliada em R$ 1 milhão e terá, entre outras estruturas, 17 gabinetes de 20 metros quadrados cada, biblioteca e um auditório para 200 pessoas, além de toda a estrutura administrativa.

O plenário será oval e a bancada para os cidadãos, hoje espremida, será maior e mais confortável. Todo o prédio utilizará materiais ecológicos e será adaptado conforme as leis de acessibilidade.

“A estimativa é que a construção seja feita em dois anos. Ainda não sabemos quando será iniciada. Será feita na área pertencente à câmara do Aeroporto Anita Garibaldi”, antecipa o vereador Edson Firmino, integrante da comissão destacada para acompanhar este assunto.

A atual sede da câmara é de propriedade da Tractebel Energia e não atende mais as necessidades dos parlamentares e da população. A nova estrutura é prevista para ser feita no lugar onde ficava o pavilhão do antigo aeroclube.

“Desta forma, não atrapalhará as outras obras previstas para o mesmo terreno”. A área do aeroporto pertence, além da câmara, à prefeitura e ao judiciário de Tubarão. Neste mesmo local, será edificada a Arena Multiuso, no próximo ano, e o centro administrativo municipal, sem data e projeto definidos.