A nuvem rolo, muito semelhante à nuvem “glória da manhã”, pode atingir mil quilômetros de comprimento e de um a dois de largura. Pode se deslocar com velocidade de até 60 km/h, o que provoca rajadas de ventos. 

Imagens do satélite GOES-16 mostraram no fim da manhã de hoje (12) uma extensa faixa de um tipo de nuvem rara observado no sul do litoral paulista. No decorrer do dia, essa banda de nuvens avançou também para o litoral norte de São Paulo. 

O que é nuvem rolo? 

A nuvem rolo, muito semelhante à nuvem “glória da manhã”, é considerada uma nuvem rara. Ela pode atingir 1.000 km de comprimento e de 1 a 2 km de largura. A nuvem rolo pode se deslocar com velocidade de até 60 km/h, o que provoca rajadas de ventos. Esta nuvem se forma em uma altitude de 100 a 200 metros acima da superfície e é considerada uma nuvem baixa, explica a meteorologista Bianca Lobo.

A nuvem rolo tem uma grande extensão horizontal, pequena amplitude vertical e a forma de um tubo. Em geral aparece destacada do restante de nebulosidade e pode vir em bandos de várias nuvens paralelas.

A nuvem rolo parece rolar lentamente em torno de um eixo horizontal. A nuvem rolo é tecnicamente é do gênero stratocumulus. Como está na forma de um rolo e desprendido de qualquer outra nuvem, é da espécie volutus. 

Como se forma a nuvem rolo?

A nuvem rolo se forma pela combinação de ventos em altitudes diferentes e soprando em direções contrárias por uma grande área, que dão o formato de rolo. Se formam no choque de massas de ar com temperaturas e teor de umidade diferentes. Seu movimento pode induzir ventos moderados a fortes, mas a nuvem rolo não produz rajadas e nem provoca chuva. Vai se desfazendo à medida que o contraste de umidade e de temperatura enfraquece, finaliza Lobo.

Foto: Nuvem rolo observada em julho de 2017, próxima à região de Vitória, no Espírito Santo.