Tubarão

Metodologias inovadoras, qualificação da educação integral, reformulação do Ensino Médio e ampliação da educação profissional e superior estão na agenda do novo Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina (CEE). Ontem à tarde, em cumprimento ao ato de nomeação do governador do Estado, foram empossados os novos conselheiros da entidade.

Além dos professores da Unisul, Sebastião Salésio Herdt (que também preside a Fundação Unisul e a Acafe) e Felipe Felisbino (que atua na Secretaria de Meio Ambiente do MEC), foram empossados e reconduzidos, respectivamente, os conselheiros Rodolfo Joaquim Pinto da Luz, Sandra Zanatta Guidi, Antonio Reinaldo Agostini, Célio Simão Martignago, Raimundo Zumblick e o Secretário de Educação do Estado Eduardo Deschamps.
Ainda ontem, os conselheiros já estiveram reunidos nas diferentes comissões de educação. O calendário letivo, que iniciou em janeiro, prevê quatro encontros mensais.

Em nome dos conselheiros empossados e reconduzidos, o professor Sebastião Salésio Herdt reafirmou a disposição de todos para prosseguir com atitudes positivas e inovadoras. “Primeiro, a sinergia e a atitude de compartilhar, integrando, harmonicamente e cada vez mais, o sistema educacional catarinense ao nacional, especialmente num momento de regulamentação do ensino médio brasileiro”, afirma. O professor Felipe Felisbino também se colocou à disposição do órgão para contribuir com a educação. “Teremos grandes desafios, como a reorganização da educação básica, por exemplo. Estaremos à disposição para criar ainda mais sinergia e harmonização entre CEE e MEC para que, juntos, possamos mudar e transformar, para melhor, a educação”, completou.

Novo ensino médio será debatido pelo CEE
Cada discurso procurou demarcar e refletir as premissas e atitudes que direcionarão os esforços do CEE para os próximos seis anos, cujas pautas irão contemplar as reflexões sobre o novo Ensino Médio, a ampliação da Educação Profissional e do Ensino Superior de qualidade, da consolidação da educação Integral, da revisão curricular, de metodologias inovadoras para a formação de professores, da implementação, com excelência, do plano estadual de educação e de sistemas efetivos de avaliação.

Para o professor Eduardo Deschamps, que desde 2016 preside o Conselho Nacional de Educação, ainda que Santa Catarina ocupe um lugar privilegiado no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), e se consolide, ano após ano, com um ensino superior qualificado e inclusivo, o Estado ainda precisa muito mais para poder celebrar e avançar. “Em abril, a proposta de base curricular comum será pauta dos Conselhos (nacional e estaduais)”, informa.