Brasília (DF)

O ministro da justiça, Tarso Genro, afirmou ontem que a Contribuição Social para a Saúde (CSS) não mexerá no bolso do contribuinte, assim como o fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) não trouxe vantagem direta ou indireta para a população.

Segundo Tarso Genro, a CSS, aprovada quarta-feira na câmara dos deputados, significará apenas mais recursos para a saúde.
Na avaliação do ministro, a contribuição não é inconstitucional, como alguns afirmam, e o senado aprovará a sua criação.

“Evidentemente, na hora da votação no senado, esse argumento (da inconstitucionalidade) será debatido também. Mas não vejo nenhum problema de Constituição, e acho que os senadores tendem a aprovar”, afirmou o ministro, após participar de painel da 28º Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras.