Os cortes anunciados para a área da educação são tema do primeiro grande protesto contra o governo Jair Bolsonaro (PSL), que acontece hoje nas principais cidades de 26 estados e no Distrito Federal. Professores, estudantes e trabalhadores da educação já participam de protestos em alguns estados na manhã de hoje. 

São registradas manifestações na Bahia, Minas Gerais, Pará, Ceará, Espírito Santo, Piauí. Discentes e docentes da USP (Universidade de São Paulo) realizam protesto desde cedo nos arredores da instituição de ensino superior, localizada na zona oeste de São Paulo, bloqueando ruas e avenidas do entorno

Os maiores protestos são esperados para o período da tarde em São Paulo e no Rio de Janeiro. Na capital paulista, o ato será às 14 horas no Masp, na avenida Paulista. No Rio de Janeiro, algumas pessoas já se concentram nesta manhã na Cinelândia, no centro, para as aulas públicas antecederão o ato que acontecerá à tarde.A concentração será na Candelária, palco habitual de protestos na cidade. No início da noite, será realizada uma caminhada até a Central do Brasil. 

Os atos são em defesa das universidades federais, da pesquisa científica e do investimento na educação básica e acontecem após o MEC (Ministério da Educação) anunciar um congelamento orçamentário que atinge recursos desde a educação infantil até a pós-graduação, com suspensão de bolsas de pesquisa oferecidas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). 

Nas universidades federais, o bloqueio anunciado foi de 30% dos recursos destinados a gastos discricionários (como água, luz e serviços de manutenção).