Em entrevista à CNN, nesta quinta-feira (9), o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), listou as medidas tomadas para conter o avanço da doença no município, fez críticas à politização do combate ao novo coronavírus e se emocionou ao mencionar o impacto da pandemia na população curitibana.

Com 228 casos e cinco óbitos, Greca afirmou que o município está utilizando um fundo emergencial que está dando o suporte para que a capital se mantenha com com a situação controlada.

“Quando nós fizemos o plano de recuperação fiscal da cidade, nós reservamos dinheiro para uma tragédia e agora estamos dispondo R$500 milhões para enfrentar o coronavírus. São R$300 milhões a mais no orçamento da Secretaria da Saúde e R$200 milhões para questões como subsídios para o transporte público e também para outras medidas como a lavagem da cidade”, explica.

Quanto ao sistema de saúde, o prefeito falou de um cenário otimista. Foram disponibilzados mil leitos de UTI, mais de 6 mil leitos de baixa complexidade e foram abertos três hospitais que estavam desativados.

“Não existe risco de colapso. O sistema de saúde é um dos mais aprimorados do país. Nós unimos todo mundo no SUS Curitibano. Não tem mais diferença entre leito particular e público”, afirma.

Rafael Greca se emocinou ao mencionar como a população da cidade está diante da pandemia. “Meu coração de prefeito se aperta. Estamos em oração também, pedindo a Deus que o Deus proteja a cidade e que poupe nossos cidadãos.”

“É muito triste um prefeito desligar uma cidade que é tão querida e tão importante para o Brasil. Nós temos que ser resilentes, fortes, temos que ter a capacidade de entender que tudo isso irá passar “, desabafa.

E criticou a politização da pandemia. “Temos que ser otimistas, temos que desligar qualquer possibilidade de uso político da pandemia. Nós não podemos ter o partido da cloroquina e o partido da anti-cloroquina, temos que deixar os médicos agirem. E temos que entender também a angustia, também compartilhada pelo presidente da República, da economia”

“É muito importante não matar a cidade, ela tem que funcionar. Não é hora de ganhar dinheiro e sim, de pensar na humanidade”, conclui.

Fonte: CNN Brasil