Karoline Calheiros, namorada do cantor Gabriel Diniz, que morreu em um acidente com um monomotor nessa segunda-feira (27), se emocionou ao chegar ao velório do artista, realizado nesta terça-feira (28), no ginásio poliersportivo Ronaldo Cunha Lima, em João Pessoa, na Paraíba.

A jovem, que acabou de completar 25 anos, ficou pouco tempo perto do corpo do cantor. Ela se sentiu mal e precisou ser retirada do local. Francisco, pai de Gabriel, revelou que sua mulher Ana Maria também está muito abalada. “Ela não está conseguindo ficar no velório”, explicou.

Francisco lamentou o fato de o filho não ter concluído os projetos idealizados. “Ele queria ir mais longe, ser muito conhecido. Chegar nos lugares e ser notado”, confessou. O cantor, segundo o pai, preparava um novo DVD e tinha a ideia de variar o repertório com algumas musicas românticas. No campo pessoal, planejava o casamento com Karoline Calheiros. “Já tinham até o projeto de uma casa em andamento”, completou.

Ele disse que seguiria a forma como o filho tratava os fãs e atenderia bem a todos eles. “Ele era a minha alegria. Não vou me incomodar se as pessoas demonstrarem alegria hoje porque essa era a marca do Gabriel”, afirmou.

Apesar da tragédia, o pai de Gabriel Diniz, Sicinato Francisco Diniz, disse estar se mantendo firme para dar suporte à mulher, Ana, à filha Milene e à namorada do cantor, Karoline. Seguindo o comportamento do filho, ele fez questão de atender bem os fãs. “Não vou me incomodar se as pessoas demonstrarem alegria, essa era a marca do Gabriel”, afirmou.

Fila de fãs

Os fãs fizeram fila desde a madrugada e acompanharam emocionados a chegada do corpo de Gabriel Diniz. A estudante Rafaele Daura, de 30 anos, viajou 130 quilômetros, de Recife (PE) a João Pessoa, para dar adeus ao artista. Ela chegou ao local nessa segunda (27), às 18h30, e passou a noite em frente ao estádio. “Já chorei muito. Fechamos contrato semana passada para ele tocar na nossa formatura em 2020”.

No último dia 10, Rafaele assistiu a um show do cantor no Festeja Recife. “Ele tinha uma alegria contagiante. Onde chegava animava o ambiente”, disse ela, que já foi a sete apresentações de GD, como era chamado. “Sou fã bem antes de Jenifer, da época em que ele tinha cabelo louro”, contou.

O estudante José Wallysson saiu de Guarabira, distante 100 quilômetros de João Pessoa, onde criou o fã-clube GDnaticos. Às 20h30 dessa segunda, ele já estava na porta do estádio. “Eu vi um show dele em 2017 e me apaixonei. Cinco dias depois, tinha criado o fã-clube”, relatou.

Acidente

O avião monomotor que levava Gabriel Diniz caiu nessa segunda-feira (27/05/2019), no povoado do Mato, em Estância (SE), sul do estado. O acidente matou também Linaldo Xavier e Abraão Farias, diretores do Aeroclube de Alagoas.

A aeronave não tinha autorização para realizar voos comerciais, de acordo uma pesquisa no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O monomotor pertencia ao Aeroclube de Alagoas, cujo dono é Denisson Eduardo De Mello Flores, e tinha permissão apenas para voos de instrução.

De acordo com a agência, o avião estava em situação regular, com Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válido até 2023 e Inspeção Anual de Manutenção (IAM) em dia até março de 2020. Após a tragédia, a Anac suspendeu os voos do Aeroclube de Alagoas e também abriu procedimento administrativo sobre o caso.  A Força Aérea Brasileira (FAB) vai apurar as causas da queda.

Mais vítimas

Além do responsável pelo hit do Carnaval, a tragédia matou Linaldo Xavier e Abraão Farias, diretores do Aeroclube de Alagoas. Em entrevista ao site G1, um outro diretor do aeroclube, que se identificou apenas como Roberto, confirmou ao site a identidade das vítimas: Abraão era piloto desde 2012 e Linaldo tinha três anos de experiência. Os dois eram comandantes.

“O Farias era muito amigo do Gabriel Diniz e levou o Xavier para passar o fim de semana em Salvador [BA], onde encontraram o cantor [que havia feito show em Feira de Santana] e voltariam juntos para Maceió”, afirmou Roberto em entrevista ao site.