Amanda Menger
Braço do Norte

Três candidatos a prefeito que receberam o maior número de votos em seus municípios podem não levar a eleição. Este é o caso de Célio Antônio (PT), em Laguna, Antônio Mauro Eduardo (PP), em Sangão, e Ademir Matos (PMDB), em Braço do Norte. Isso porque eles enfrentam processos judiciais relativos aos registros de candidatura. Na apuração, os votos dados a eles foram computados como nulos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Enquanto couberem recursos, os votos não serão oficialmente considerados válidos.

Em situações deste tipo, há diversas interpretações jurídicas possíveis. Em uma delas, os candidatos têm decisões favoráveis e os votos deixam de ser considerados nulos. A outra possibilidade é que as sentenças confirmem as impugnações e cassações de registro e, assim, seja convocada uma nova eleição.
Dos três municípios, dois poderão ter um novo pleito, isso porque em Sangão e Braço do Norte o número de votos nulos passa de 50%: 53,57% e 62,21%, respectivamente.

Já em Laguna, os nulos chegam a 48,33% dos votos. Assim, o segundo colocado, Mauro Candemil, que recebeu 12.055 votos seria considerado o prefeito eleito.
Segundo a assessoria de imprensa do TSE, todos os casos deverão ser julgados até o início de dezembro, quando acaba o prazo para a justiça analisar estas ações e diplomar os eleitos.

À espera da decisão judicial
A notícia de uma possível nova eleição gera expectativa em Braço do Norte. Para o candidato do PP, Ademir Schmoeller, é preciso esperar a decisão da justiça. “O recurso de Ademir Matos ainda será julgado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Se for chamada uma nova eleição, mantenho minha candidatura”, adianta.

O petista Valberto Michels também aguardará a decisão. “Se for chamada uma nova eleição, aí, sim, vamos conversar e analisar a possibilidade de candidatura. Não há nada definido”, afirma.
Para a equipe de Ademir Matos, a expectativa é que o TSE defira o seu registro de candidatura, já que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu uma liminar suspendendo a sentença condenatória que o tornava inelegível até 2011.

Sangão
O registro de candidatura de Antônio Mauro Eduardo (PP) foi cassado pelo juiz da 33ª zona eleitoral, Luiz Fernando Boller, sob a argumentação de que ele teria utilizado a máquina pública em benefício próprio. Antônio Mauro recorreu ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

“Estou confiante de que a decisão será favorável, porque a Procuradoria Regional Eleitoral deu parecer para reconhecer o recurso. Se der algum problema, irei ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para garantir o mandato ”, adianta.
O outro candidato a prefeito de Sangão, Herivelto Reynaldo de Castro (PSDB), não foi encontrado para falar sobre o assunto.