Tubarão

A retirada da locomotiva 53, do Museu Ferroviário de Tubarão, para o município Miguel Pereira, no Rio de Janeiro, ganhou mais um capítulo. Em ofício enviado aos deputado federal Jorginho Mello (PR), o ministro interino dos Transportes, Portos e Aviação, Herbert Drummond, garantiu que a transferência da locomotiva não ocorrerá. ” Senhor deputado federal Jorginho Mello, esteja informado que determinei até segunda ordem, a suspensão de qualquer processo de transferência da locomotiva Pacif 53 do Museu de Tubarão”.

Conforme o deputado federal e candidato ao senado, Jorginho Mello, nesta quarta-feira (5), às 10h, ele estará com o ministro para tratar do assunto que tem preocupado os moradores da Cidade Azul e região. “Conversei em outra oportunidade com o ministro titular da pasta, Valter Casimiro Silveira, sobre o ocorrido e nesta quarta, vamos discutir sobre essa situação. Não há motivos para a locomotiva sair de Tubarão, ela faz parte da história da cidade e por isso deve permanecer lá. Assim como qualquer outra. Vou cobrar essa questão em definitivo”, afirma Jorginho.

Segundo o vice-presidente da associação que mantém o Museu Ferroviário, José  Warmuth, uma ação cautelar foi movida recentemente para garantir a permanência da Pacif 53 no museu tubaronense.  “Nos últimos dias conseguimos o tombamento por meio da Fundação Catarinense de Cultura  de 16 locomotivas do Museu Ferroviário, foi aprovada a Lei de tombamento na Câmara de Vereadores, faremos uma passeata pelas ruas do município e vamos abraçar o museu”, conta Warmuth.

Todo este imbróglio teve início após uma visita do prefeito de Miguel Pereira, André Português, ao Museu Ferroviário de Tubarão, realizada há cerca de um mês, quando ele se encantou com a locomotiva Baldwin 53, fabricada em 1920, e que realizava o transporte de passageiros na região. Esta peça é única, e foi inclusive restaurada pela equipe do museu, uma vez que chegou em estado de conservação inadequado.
 
Para surpresa da instituição tubaronense, um ofício, contendo uma cópia do Diário Oficial da União, chegou às mãos dos responsáveis pelo Museu, onde era tratado um termo de cessão de uso da máquina à cidade fluminense. Uma vez que todo o acervo é de responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), a transferência poderia acontecer sem interferências.
 
A locomotiva, mesmo restaurada, não funciona, ao contrário de duas outras máquinas que estão no acervo do Museu Ferroviário, que se encontram prontas para uso. Uma delas foi, inclusive, oferecida às autoridades de Miguel Pereira no lugar da Baldwin 53, juntamente a uma contrapartida de R$ 200 mil pelo serviço de restauração. No entanto, a proposta não foi aceita.

 

Lançada a campanha “Esse trem é nosso”, em defesa à locomotiva

A mobilização em defesa da permanência da Baldwin Locomotive Works 53, locomotiva do Museu Ferroviário que poderá ser levada para Miguel Pereira, no Rio de Janeiro, ganhou força ontem, nas redes sociais, com a criação da campanha “Esse Trem é Nosso”. A iniciativa da comunidade, imprensa e representantes de diversos órgãos e instituições, a partir de uma reunião realizada na segunda-feira, já repercutiu em Brasília, onde será decidido se Tubarão permanece ou não com essa máquina que representa boa parte da histórica econômica, social e cultural de todo o Sul Catarinense.
 
Com a mobilização, representantes de vários segmentos da sociedade sugeriram iniciativas e alternativas para que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) desista do envio da locomotiva a Miguel Pereira, por solicitação do prefeito daquele município. Grupos de whatsapp também foram criados para fortalecer o movimento e em poucas horas mais de 150 pessoas já participavam da mobilização on-line. A indignação dos tubaronenses foi registrada até mesmo nas redes sociais da prefeitura de Miguel Pereira. Vários internautas postaram na fanpage oficial do município mensagens com críticas à iniciativa do prefeito André Português, em solicitar a locomotiva tubaronense.
 
Essa movimentação foi relatada em Brasília na Câmara dos Deputados pelo deputado Esperidião Amim e o discurso de indignação do parlamentar gerou uma situação favorável à Cidade Azul. Segundo Amim, o secretário-executivo do ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Herbert Drummond, que ocupa interinamente o comando do órgão, suspendeu o envio da locomotiva para o Rio de Janeiro até o retorno das férias do titular da pasta, ministro Valter Casimiro Silveira.O prefeito Joares Ponticelli recebeu essa notícia com satisfação e cautela.
 
“Precisamos pulverizar essa mobilização e fazer com que ela ganhe cada vez mais força. Precisamos do apoio dos tubaronenses e pessoas de outras cidades do Estado, pois essa locomotiva ajudou no desenvolvimento e crescimento da região Sul e por isso faz parte da história ferroviária de Santa Catarina”, destacou o prefeito.
 
A campanha “Esse Trem é Nosso” terá desdobramento com uma ação de impacto nesta amanhã, às 16h30, com um abraço simbólico na locomotiva no Museu Ferroviário. O evento foi anunciado por meio de um convite no facebook.Outra ação já colocada em prática foi a sanção da Lei aprovada por unanimidade pela Câmara de Vereadores na segunda-feira que cria o Conselho Municipal do Patrimônio Cultural e institui o Fundo Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural de Tubarão. Agora, o próximo passo é o lançamento de um edital de convocação para a escolha de cinco membros da comunidade que farão parte do conselho, junto com um servidor lotado na gerência de Cultura e o presidente da Fundação Municipal de Educação, que também será o presidente desse órgão. O regimento interno do conselho será elaborado em até 45 dias, a partir da posse dos conselheiros.