Amanda Menger
Tubarão

Os seis prefeitos do PMDB que pediram desfiliação da Amurel poderão ser reintegrados à associação. A decisão deve ser oficializada em, no máximo, 15 dias. Nesta sexta-feira, cinco prefeitos do partido (Luiz Carlos Brunel Alves, de Capivari, não pôde comparecer) estiveram reunidos com o presidente da Amurel, José Roberto Martins, o Beto (PSDB), para aparar as arestas surgidas durante a eleição da nova diretoria.

O argumento utilizado pelos prefeitos peemedebistas para sair da Amurel é que eles não foram convidados para participar da chapa formada por Beto à presidência da entidade. “Conseguimos desfazer os ruídos de comunicação que ocorreram durante a eleição da diretoria. Conversamos, rimos e estamos buscando a harmonia. Agora, os prefeitos conversarão com o deputado federal Edinho Bez (PMDB) e com Brunel, que não pôde participar da reunião. A ideia é, em até duas semanas, reunirmos todos os prefeitos para uma conversa sobre a sucessão da entidade”, explica Beto.

A proposta é revezar os partidos na presidência da Amurel. Beto, porém, não garante que o PMDB será o próximo presidente. “Isso tem que ser em comum acordo entre todos os 17 prefeitos. Eu não sou ditador, não sou Hugo Chávez para determinar algo sem conversar com os outros. Pode ser que seja o PMDB, mas pode ser um prefeito de outro partido. Vamos conversar, mas tenho certeza que chegaremos a um termo interessante para todos”, garante o presidente.