#Pracegover foto: na imagem há mãos eum seio
#Pracegover foto: na imagem há mãos eum seio

Outubro é o mês de conscientização do cuidado feminino, em especial, a prevenção ao câncer de mama e útero. Segundo o Instituto Nacional de Câncer, o INCA, a previsão é de que 66.280 novos casos sejam descobertos em 2021. Um dos grandes objetivos é incentivar que cada vez mais as mulheres busquem informações de qualidade sobre a doença. Entre os principais cuidados, manter uma rotina saudável através da alimentação e exercícios físicos é imprescindível.

Porém, nem sempre é possível que as mulheres consigam atender a essa demanda, fato acentuado com a chegada da pandemia de covid-19, ampliação dos trabalhos em home office e dos afazeres domésticos.

Uma pesquisa realizada pela Organização Feminista Sempreviva mostrou, entre outros dados, que 41% das mulheres que continuaram com salários ativos na pandemia, relataram estar sobrecarregadas. Mais de 50% das pessoas que responderam à pesquisa, e estavam em home office, diagnosticaram que as atividades domésticas aumentaram muito.

Para a psicóloga credenciada da Paraná Clínicas, empresa do Grupo SulAmérica, Suely Poitevin, as mulheres têm sido um dos grupos mais impactados neste período de pandemia. “Não temos ainda uma estatística definida, até porque as mulheres sempre foram objetos de estudo, porém, na clínica observa-se que dos 190 atendimentos realizados nos últimos 4 meses, ao menos 80 eram pacientes femininas e muitas delas relatando, neste período, sintomas de ansiedade, depressão, estafa mental e física, irritabilidade, intolerância e sensibilidade emocional. Nós mulheres temos que entender que nem sempre precisamos dar conta de tudo nem de todos e que isso não nos torna pessoas fracas ou descomprometidas”, destacou a doutora.

Para amenizar essa pressão, algumas empresas foram em busca de realizar ações que impactassem diretamente na qualidade de vida das pessoas que estavam em home office. A Mondelez Brasil, por exemplo, possui em sua cultura organizacional 40% de mulheres e outros 45% dos cargos de liderança ocupados por elas.

Vendo a necessidade, a companhia estabeleceu regras para que seus funcionários não trabalhassem fora de horário ou que ficassem sobrecarregados.  Além da sexta-flex, a empresa fez bloqueios de agendas antes e pós horário comercial e também no período do almoço, garantindo assim que reuniões não sejam marcadas nestes períodos. Além disso, foi lançado um programa de bem-estar para cuidar não apenas da saúde física, mas também da mente dos colaboradores, com rodas de conversas, consultas psicológicas e todo apoio necessário para aqueles que precisam de auxílio.

Já outras mulheres encontram na atividade física uma forma de melhorar a qualidade de vida e se prevenir. A boxeadora Rosilete Macaris é um exemplo disso. De acordo com ela, a atividade física está atrelada a vida saudável e não apenas a questão de estética. “ A vida saudável nos engrandece e a atividade física contribuí e muito na saúde física e mental. Em meio a tantos conflitos em que vivemos, a atividade física ajuda 100%. Você não precisa ter corpo perfeito e sim mente saudável e muita disposição”, destacou ela.

Assim como tantas mulheres, Rosilete precisou também se reinventar na pandemia. Ela e o esposo, Macaris do Livramento, mantinham um projeto social para ensinar boxe para as crianças. Com as recomendações sanitárias, o projeto parou suas atividades presenciais. “Muitas mães me ligavam desesperadas que os filhos estavam ociosos em casa e elas precisavam trabalhar, desenvolver suas atividades. Foi aí que decidimos iniciar as aulas online, assim ajudávamos as crianças e também as mães, que nesse período tiveram sua carga de trabalho aumentada”, comentou a campeã.

Alimentação e cuidados pessoais

Além de manter uma rotina de atividades físicas, é essencial que a alimentação também ocorra de forma consciente, com escolhas por ingredientes mais naturais como uma das medidas de prevenção ao câncer de mama. A busca por refeições de maior qualidade foi constatada pela Vapza Alimentos, quando a procura por alimentos orgânicos cresceu 44,5% nos sete primeiros meses de 2020.

Para Liza Schefer, marketing e trade marketing da Vapza, esse aumento é reflexo da busca por uma melhor qualidade de vida e bem-estar. “Sentimos que temos um novo perfil de consumidor, preocupado com a própria saúde e de toda família. Então, saber que contribuímos para levar alimentos práticos, de qualidade e saudáveis à mesa do brasileiro é um grande passo para a transformação”, afirma.

A nutricionista credenciada da Paraná Clínicas, Dra. Carolina Henequim (CRN – 2804 – PR), destaca que é preciso manter um equilíbrio na alimentação. “Muitas vezes, as pessoas imaginam que manter uma rotina alimentar saudável é cara e trabalhosa, porém, é preciso desmistificar isso. Por exemplo, incluir legumes, saladas e frutas já é um passo muito importante. Outro item indispensável é o consumo de água e a diminuição da ingestão de açúcar, dessa forma, criam-se hábitos mais saudáveis e que contribuem de sobremaneira para o bem-estar”, finalizou a médica.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

 

Fonte: Grupo Excom