Foto: Reprodução

O Tribunal do Júri da comarca de Tijucas condenou Rozalba Grime, acusada de matar a amiga  Flávia Godinho Mafra para retirar um bebê de seu ventre, crime cometido em agosto de 2020 no município de Canelinha.

A sessão teve início às 8 horas de quarta-feira (24/11) e terminou por volta da meia-noite desta quinta (25), na Câmara de Vereadores de Tijucas. O juiz José Adilson Bittencourt Júnior definiu a sentença em 56 anos e 10 meses de reclusão em regime inicial fechado, mais oito meses de detenção.

A pena considera o reconhecimento pelos jurados das qualificadoras apresentadas na denúncia: feminicídio qualificado por motivo torpe, com emprego de meio cruel, mediante dissimulação e para encobrir outro crime. Também pelo crime de tentativa de homicídio qualificada pela impossibilidade de defesa (em relação ao bebê). A ré foi condenada, ainda, pelos crimes de ocultação de cadáver, parto suposto, subtração de incapaz e fraude processual. Ela não poderá recorrer dos crimes em liberdade.

Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), a Rozalba planejou a morte da amiga para ficar com o bebê, porque simulava uma gestação no mesmo período. Então, a convidou Flávia para um chá de bebê, mas a levou para uma cerâmica desativada. Ainda de acordo com a investigação, Flávia foi golpeada por tijoladas e ficou desacordada.

Em seguida Rozalba pegou um estilete e retirou o bebê do ventre da amiga, que morreu por conta do ferimento cortante no abdômen. A vítima teve múltiplos ferimentos na cabeça, pescoço e lesão nos braços indicando movimentos de defesa.