Karen Novochadlo
Imbituba
 
A secretária e promoter de eventos de Imbituba, Silvia Magalhães, 29 anos, pensou que morreria quando não conseguiu realizar a cirurgia de redução de estômago no ano passado. Minutos antes da operação, a sala precisou ser ocupada com uma emergência. Mas o ocorrido foi necessário para despertar em Silvia a força de vontade que faltava para perder peso.
 
Isto ocorreu em abril do ano passado. Agora, 11 meses depois, Silvia já eliminou 60 dos 178 quilos que tinha naquela época. Tudo isso sem ajuda de remédios, cirurgias, chás ou dietas “milagrosas”. Bastaram-lhe persistência e dedicação, unidos a uma alimentação saudável e exercícios físicos.
 
“Eu realmente comia bastante. Eram cinco salgados fritos por dia, quase dois quilos de macarrão”, admite. “Hoje, aprendi a me controlar”, completa. Silvia descobriu que além de ser uma mulher bonita, também tem aquilo que mais lhe faltava: vontade de querer mudar e força para lutar por si mesma. A briga com a balança começou cedo. Aos 9 anos Silvia era magricela e tomou um remédio para ganhar peso.
 
O problema é que os quilinhos a mais para ter uma ‘aparência saudável’ nunca mais deixaram o corpo de Silvia. No fim da adolescência perdeu os pais. A comida virou um consolo. Mas foi com a gravidez que a situação piorou: Silvia chegou a 140 quilos aos 22 anos.
 
A promoter sofreu muito com preconceito. As cicatrizes, lamenta, ainda são bem aparentes. “Todo dia meu filho brigava na escola porque diziam que a mãe dele era uma baleia. Para comprar roupas era uma tristeza, nada servia. Os sapatos estragavam a cada 15 dias. Hoje, isso é passado”, comemora.
 
A meta é perder pelo menos mais 20 quilos
Após ter eliminado 60 dos 178 quilos que tinha quando resolveu dar um basta na situação, a secretária e promoter de eventos Silvia Magalhães não se deu por satisfeita. Para fazer as pazes com a balança, ele pretende dar fim a mais 20 quilos. Tudo isso com uma alimentação balanceada, a base de muitas verduras, legumes e frutas.
Silvia também declarou guerra contra o sedentarismo. No começo não conseguia praticar outra atividade além da hidroginástica, por ser uma atividade com menor impacto. Hoje ela frequenta a academia normalmente.
Agora, o sonho é “entrar na faca”. Não para a cirurgia de redução de estômago, mas parar se livrar do excesso de pele na barriga e nos braços. “Gostaria que algum cirurgião se sensibiliza-se com o meu caso. Não tenho condições de arcar com os custos integrais de uma plástica”, sonha.
 
Para perder muito peso, procure por um profissional
O caso de Silvia Magalhães, 29 anos, de Imbituba, é espantoso. Ela perdeu 60 quilos sem cirurgia e remédios. Mas a nutricionista Michele Medeiros, de Tubarão, alerta: é preciso fazer um acompanhamento com um profissional e, nos casos mais sérios de obesidade, também é necessário consultar um médico.
Quando se está muito acima do peso, a pessoa pode ter colesterol e triglicerídeos altos, diabetes, hipertensão, entre outros problemas sérios. Por isso a necessidade de acompanhamento.
O profissional fará um cardápio para garantir que todos os nutrientes necessários para o bom funcionamento do organismo sejam ingeridos. “Além disso, em uma perda de peso rápida e sem acompanhamento é mais fácil ocorrer o efeito sanfona. Não basta eliminar os ‘pneuzinhos’, é preciso fazer isso com saúde”, orienta Michele.