O ex-presidente do Real Madrid, Lorenzo Sanz, morreu hoje aos 76 anos, por conta do coronavírus, em um hospital de Madri. O empresário foi internado na UTI da Fundación Jiménez Díaz na quarta-feira com um prognóstico severo após vários dias com sintomas do COVID-19.

“Meu pai acabou de falecer. Ele não merecia um final assim. Uma das pessoas mais gentis, corajosas e trabalhadoras que já vi está saindo. Sua família e o Real Madrid eram sua paixão. Minha mãe e meus irmãos aproveitaram todos os momentos com orgulho”, escreveu seu filho mais velho, Lorenzo, ex-jogador de basquete dos merengues.

Na quinta-feira, ele havia dito que as notícias do pai não eram boas. ” Além da insuficiência respiratória, a insuficiência renal está associada a uma infecção grave. Você tem que esperar 24 horas, mas devido à sua idade, é muito complicado. O pior é não poder estar com ele”, escreveu em sua conta no Twitter.

Sob seu mandato, o clube branco venceu uma Liga (1996/1997), uma Supercopa da Espanha (1997), uma Copa Intercontinental (1998) e duas Liga dos Campeões.

Problemas com a justiça

Ao longo de sua vida, Lorenzo Sanz esteve envolvido em vários processos legais. Em novembro de 2018, ele foi condenado pelo Tribunal Provincial de Madri a três anos de prisão e a pagar uma multa de 1,2 milhão de euros por fraudar o Tesouro. Ele ocultou 6 milhões de euros da agência tributária “intencionalmente” em suas declarações de renda relacionadas ao imposto de renda pessoal nos anos de 2008 e 2009. Em 2008, ele foi acusado na França de uma fraude imobiliária, mas foi libertado após ser preso em Córdoba.