Trabalho de limpeza da cidade prosseguirá. Ações serão feitas em vários pontos e não apenas na beira rio. Ontem, a casa do catador Serjão foi removida. Ele ganhou uma casa no bairro Congonhas  -  Foto:Fotos: Max Alexandre/Prefeitura de Tubarão/Notisul
Trabalho de limpeza da cidade prosseguirá. Ações serão feitas em vários pontos e não apenas na beira rio. Ontem, a casa do catador Serjão foi removida. Ele ganhou uma casa no bairro Congonhas - Foto:Fotos: Max Alexandre/Prefeitura de Tubarão/Notisul

Tubarão

 

Seu Serjão, morador da margem direita do Rio Tubarão, bem em frente à antiga rodoviária, na avenida Marechal Deodoro, foi despejado. Esta não é a primeira vez que a prefeitura tenta ajudar o catador Sérgio dos Santos. Já ganhou casa, vendeu e voltou para a beira rio.
 
O trabalho de limpeza das margens do Tubarão, em especial nas chamadas Áreas de Proteção Permanente (APP), foi iniciado na semana passada, quando uma velha banca ao lado da ponte pênsil, na mesma avenida, foi removida.
 
Segundo o diretor de obras e posturas da secretaria de urbanismo, Ulisses Nandi Passarela, a ação terá prosseguimento em vários outros locais. São pontos que geram reclamação e foram motivo de denúncia junto aos órgãos municipais, seja pela sujeira ou por serem moradia de pessoas como Serjão, que precisam de ajuda.
 
Desta vez, ele foi transferido para uma casa no bairro de Congonhas. E, conforme os representantes da prefeitura, esta era a sua vontade. A casa foi conseguida pela Fundação Municipal de Desenvolvimento Social, por meio do programa Aluguel Social.
 
A mudança de Serjão e seus animais de estimação foi feita pela prefeitura, que garantirá o benefício ao catador de materiais recicláveis por seis meses, quando então a sua situação será reavaliada.
 
O fato dele ter aceitado a ajuda da fundação é o primeiro e mais importante passo para que tenha acesso aos serviços municipais. A maioria dos moradores de rua nega-se a receber o auxílio e a lei não permite que o executivo os force.