A semana começa para o governo Temer com a saída dos ministros Ricardo Barros (Saúde) e Maurício Quintella (Transportes). Os 2 serão candidatos nas eleições e deixam suas pastas próximos ao prazo de desincompatibilização, em 7 de abril.

Serão o 3º e 4º ministros a deixarem o governo com esse propósito. Ronaldo Nogueira (PTB-RS) e Marcos Pereira (PRB-SP) deixaram suas pastas –Trabalho e Indústria, respectivamente– no fim de 2017 e início de 2018. Temer pode chegar a 15 baixas pré-eleição, o que seria 1 recorde.

Seus antecessores FHC, Lula e Dilma tiveram no máximo 9 integrantes de saída para disputar eleições.

Pela lei, os candidatos devem deixar os cargos 6 meses antes da votação. Temer é o presidente que mais deu ministérios a deputados e senadores. No início do governo, eram quase 60% dos ministérios ocupados por congressistas.

Neste ano, 5 ministros deixarão as pastas para tentar uma vaga na Câmara dos Deputados. Outros 4 devem tentar o Senado. No Alagoas, Maurício Quintella (PR) e Marx Beltrão (MDB) estão na disputa por uma vaga ao lado de Renan Calheiros (MDB). No Maranhão, Sarney Filho (PV) deve pleitear uma vaga de oposição ao governo de Flávio Dino (PC do B). Em São Paulo, Aloysio Nunes (PSDB) deve tentar a reeleição.

O governo ainda pode perder o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, cada vez mais candidato. Meirelles atualizou suas redes sociais e sua equipe de comunicação tenta passar um ar mais popular às suas publicações.

O presidente não demonstra pressa para preencher os buracos no 1º escalão. Já tem 5 interinos em sua equipe e só deve nomear de imediato indicações que sejam consenso entre o partido do atual ministro e o Planalto.