A abertura de inquérito para investigar o senador Paulo Bauer (PSDB), por supostos crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro, foi autorizada nessa quarta-feira (6) pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin. 

O pedido foi feito pela PGR (Procuradoria-Geral da República) com base nas informações prestadas pelo executivo da empresa Hypermarcas, hoje Hypera Pharma, Nelson José de Mello. O pré-candidato ao governo do Estado é acusado de ter recebido R$ 11,5 milhões em doações não-contabilizadas na campanha ao governo do Estado em 2014.

Quando foi noticiado o pedido da PGR, o advogado de Bauer, José Eduardo Alckmin, afirmou que “o senador Paulo Bauer aguarda a oportunidade legal para manifestar-se perante o Judiciário, certo de que terá sua inocência reconhecida em razão da inexistência dos fatos mencionados pelo delator e da consequente falta de comprovação dos mesmos”.