O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou hoje (18) à tarde sua saída da pasta. Em um vídeo postado em seu twitter ao lado do presidente Bolsonaro, ele falou sobre a decisão.

Weintraub agradeceu a todo apoio e carinho que ele e sua família receberam. “Sim, dessa vez é verdade. Estou saindo do MEC e nos próximos dias passo o bastão para o ministro que vai ficar no meu lugar. Nesse momento não quero discutir os motivos da minha saída”, disse.

Ele destacou que é importante dizer que recebeu um convite para ser diretor de um banco. “Volto ao mesmo cargo, porém no Banco Mundial. Estou fechando um ciclo e começando outro, e claro, sigo apoiando o senhor como fiz nos últimos três anos. Agradeço a honra que foi participar de seu governo. Continuarei lutando pela liberdade, mas de outra forma”, finalizou.

Bolsonaro afirmou que todos os seus compromissos continuam de pé. “A confiança a você não compra, você adquire. Todos sabem o que o Brasil está passando”.

Weintraub assumiu o cargo em abril do ano passado após a saída de Ricardo Vélez Rodríguez. Ele ficou por 14 meses.

A polêmica mais recente foi após a divulgação de um vídeo da reunião ministerial no dia 22 de abril no Palácio do Planalto. Com o presidente Bolsonaro e outras autoridades, Weintraub defendeu a prisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a quem chamou de “vagabundos”.

O que motivou por fim a sua queda foi a decisão do Supremo Tribunal Federal nessa quarta-feira, que manteve Weintraub como investigado no inquérito que apura ameaças, ofensas e fake news disparadas contra integrantes da Corte e seus familiares.

No twitter de Abraham Weintraub:
Agradeço a todos de coração, em especial ao Presidente
@jairbolsonaro
O melhor Presidente do Brasil!
LIBERDADE!